Negócios

Energético entra na guerra da cerveja


Cade deferiu o pedido de intervenção feito pela Heineken e pela Cervejaria Petrópolis contra acordo de distribuição entre Red Bull e Ambev


  Por Estadão Conteúdo 01 de Junho de 2019 às 09:41

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A disputa entre Ambev e Heineken pelo mercado local ganhou novos episódios nesta semana, com as duas fabricantes de bebidas anunciando investimentos para o resto do ano no segmento de cerveja. Porém, o que provocou o clima de "quem dá mais" não teve a ver com álcool, mas sim com energético.

Na segunda-feira (27/05), a Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deferiu o pedido de intervenção feito pela Heineken e pela Cervejaria Petrópolis no ato de concentração envolvendo a Ambev e a Red Bull do Brasil.

As empresas demonstraram preocupação com o negócio, que consiste na celebração de um contrato de distribuição entre a Red Bull e a Ambev, por meio do qual a última distribuirá ou revenderá bebidas energéticas da Red Bull em determinados pontos de venda do território nacional.

Petrópolis e Heineken entraram como interessados no processo, dizendo-se temerosos de que o negócio possa consistir em práticas anticompetitivas no segmento.

Em resposta ao Cade, Ambev e Red Bull apresentaram os dados dos dez principais clientes de energéticos em nível nacional que se enquadram nos pontos de venda contemplados no contrato. 

Com o pedido aceito pelo Cade, a superintendência do órgão deu prazo de 15 dias para que a Cervejaria Petrópolis e a Heineken apresentem informações complementares, documentos e pareceres necessários à comprovação de suas alegações.

Na quinta-feira, a Heineken comunicou o aporte de R$ 550 milhões em São Paulo até o fim do ano, dizendo que o investimento faz parte da estratégia de expansão nacional da companhia, que focará na modernização de suas cervejarias em Araraquara, Itu e Jacareí, além de sua micro cervejaria em Campos do Jordão.

Já a Ambev decidiu anunciar ontem que irá investir mais de R$ 2 bilhões em 2019, durante um encontro do presidente da companhia, Bernardo Paiva, com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Segundo a empresa, o montante será destinado ao aumento da produção de cervejas premium e de puro malte, e também a inovações.