Negócios

Endividada, BRPharma pede recuperação judicial


A empresa, que é dona de 288 farmácias e 430 franquias, tem dívida de R$ 1,2 bilhão


  Por Estadão Conteúdo 11 de Janeiro de 2018 às 09:15

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Sem dinheiro para repor estoques e com lojas sofrendo ações de despejo, a rede Brasil Pharma ingressou na noite de terça-feira (9/01), com pedido de recuperação judicial em São Paulo.

A empresa, que é dona de 288 farmácias e 430 franquias, tem dívida de R$ 1,2 bilhão. De longe, o principal credor é seu antigo dono: a empresa de investimentos controlada pelos sócios do banco BTG, a PPLA, que tem quase R$ 900 milhões a receber.

O pedido de proteção feito à Justiça é mais um capítulo da trajetória de decadência da companhia, que foi formada em 2009 e chegou ao posto de maior rede de farmácias do País após fazer uma série de aquisições milionárias.

À época, os sócios do BTG investiam pesado na área de private equity, comprando postos de gasolina, empresas de saneamento, hospitais, entre outros negócios. 

A BR Pharma começou a apresentar problemas já em 2012. Após sucessivos prejuízos, os sócios do BTG decidiram iniciar a venda de partes da companhia em 2015.

A rede Mais Econômica foi para a Verti naquele ano. Em 2016, já perdendo dinheiro, ainda colocaram R$ 400 milhões na empresa.

Em seguida, venderam a Rosário para a Profarma. Sem conseguir reverter os maus resultados, decidiram se desfazer da companhia de uma vez – o movimento de saída também começou a ser feito em outros investimentos deficitários da BTG Investments, antigo nome da PPLA.

Um acordo foi fechado em abril de 2017 com a Lyon Capital, que comprou a rede pelo valor simbólico de R$ 1 mil.

Na prática, os sócios do BTG pagaram para sair da encrenca que se transformou a empresa. O acordo incluiu empréstimos da PPLA de R$ 883 milhões. A ideia é que o dinheiro quitasse dívidas e garantisse capital de giro para a reestruturação.

A gestão ficou com Paulo Remy, sócio da construtora WTorre – a PPLA ficou com fatia de cerca de 1%. 

O problema é que a operação seguiu com problemas, a concorrência aumentou com rivais rumando para praças nas quais a Brasil Pharma atuava, e o dinheiro acabou.

Segundo uma fonte com conhecimento dos números, o que há em caixa hoje é suficiente para manter a operação por algumas semanas ou, no caso mais otimista, por “poucos meses”. 

O comando da Brasil Pharma vinha tentando levantar empréstimos no mercado, inclusive com o próprio BTG, mas não obteve sucesso.

LEIA MAIS: Unidas, pequenas farmácias vencem a crise

Não há, por ora, planos por parte dos sócios do BTG para investir novamente no negócio e a PPLA descarta voltar a ser sócia relevante da rede de farmácias, segundo uma fonte próxima ao banco. 
 
A avaliação interna é que o problema hoje da rede passa longe dos sócios do BTG, já que os empréstimos concedidos ainda estão no prazo de carência para pagamento.

Ou seja, mesmo se a PPLA perdoasse toda a dívida, o problema para custear a operação seguiria. No balanço do terceiro trimestre de 2017, a PPLA disse que “avaliou a zero” o investimento na BR Pharma. 

A Brasil Pharma ainda mantém operações em Pernambuco, Pará e Bahia por meio das redes Big Ben, Farmais, Guararapes e Santana. No total, possui 4.500 funcionários e 1.500 credores.

LEIA MAIS: Lucro das redes de farmácias foi de R$ 1 bi em 2016

À Justiça, o escritório Thomaz Bastos, Waisberg, Kurzweil Advogados afirmou que a empresa foi atingida pela redução do consumo durante a crise e que medidas tomadas pela administração não foram suficientes para normalizar a operação. 

A BR Pharma não respondeu aos pedidos de esclarecimentos. A PPLA não quis comentar.

FOTO: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo