Negócios

Em setembro, varejo tem a pior quinzena de 2018


Movimento de vendas do comércio paulistano cresceu em média 0,6% nos 15 primeiros dias de setembro, na comparação com o mesmo período de 2017, de acordo com o Balanço de Vendas da ACSP


  Por Redação DC 18 de Setembro de 2018 às 09:47

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Nos 15 primeiros dias de setembro, o movimento de vendas do varejo paulistano cresceu em média 0,6% na comparação com o mesmo período de 2017, de acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O indicador é divulgado duas vezes por mês, mostrando o desempenho do comércio na primeira quinzena e no mês fechado.

O resultado de hoje configura a pior primeira quinzena de 2018 (ver série mais abaixo), “mas acreditamos que não se trata de uma tendência, mas sim de uma parada momentânea do consumidor antes das eleições, que definirão os novos rumos do País”, analisa Emílio Alfieri, economista da ACSP.

“O setor enfraqueceu, porém com um descompasso entre os sistemas a prazo e à vista”, diz.

As vendas a crédito avançaram 4,3% no período. “A explicação pode estar nos eletroeletrônicos, em especial celulares, que estão tendo bom desempenho”, comenta Alfieri.

Já as transações à vista apresentaram queda de 3,1%, que pode ser justificada pela instabilidade do tempo.

“O sistema à vista, que abrange bens não duráveis como vestuário, calçados e acessórios, depende muito das estações do ano e suas temperaturas típicas. O consumidor está em stand by: não compra mais moda Outono-Inverno, já que o inverno termina logo (dia 22/9), enquanto espera a chegada da Primavera para comprar itens da nova estação”, diz o economista.

Os dados da quinzena não podem ser projetados para todo o mês porque dependem de outros fatores.

MENSAL 

Na comparação com os 15 primeiros dias de agosto, o comércio da cidade de SP apresentou retração média de 6,6% na primeira quinzena de setembro, também com diferenças entre os sistemas a prazo (6,3%) e à vista (-19,4%).

Os motivos, de acordo com Alfieri, são os mesmos da variação interanual, com um diferencial: o forte recuo nos produtos de menor valor (sistema à vista) se deve também à base forte de comparação gerada pelo Dia dos Pais.

“Esta data comemorativa foi impulsionada pelos presentes pessoais de menor valor. Como não há data comercial em setembro, essa queda é natural”, diz.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP com amostra fornecida pela Boa Vista SCPC.

SÉRIE 2018

Números da 1ª quinzena sobre a mesma quinzena do ano passado:

Janeiro: 4,3%

Fevereiro: 3,1%

Março: 5,1%

Abril: 3,6%

Maio: 4,1%

Junho: 4,8%

Julho: 2,8%

Agosto: 3,1%

Setembro: 0,6%

FOTO: Thinkstock