Negócios

Em meio à pandemia, comércio de usados ganha terreno


Estudo do Sebrae aponta que no 1º semestre de 2021 foram abertos 2,1 mil estabelecimentos do tipo, alta de 48,5% sobre o 1º semestre de 2020


  Por Agência Sebrae 08 de Setembro de 2021 às 12:47

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


Levantamento realizado pelo Sebrae, com base em dados da Receita Federal, mostra que a abertura de estabelecimentos que comercializam produtos usados cresceu 48,58% na comparação entre os primeiros semestres de 2020 e 2021.

De acordo com o levantamento, foram abertas, no primeiro semestre desse ano, 2.104 novas empresas nesse segmento, sendo 1.875 Microempreendedores Individuais (MEI) e 229 empresas de pequeno porte.

No mesmo período do ano passado, foram criados 1.298 MEI e 118 empresas de pequeno porte. Esse incremento na abertura de novos negócios no comércio de itens usados, verificado entre os seis primeiros meses de 2020 e 2021, é o maior em seis anos.

Para o gerente de competitividade do Sebrae, Cesar Rissete, uma das formas de economizar encontrada pelas pessoas foi vender produtos que não usavam mais e que ainda tinham condições de uso, assim como a compra de artigos de segunda mão.

Rissete destaca ainda que essa é uma tendência mundial e que pesquisas feitas em outros países comprovam que esse mercado ainda tem espaço para crescimento.

Ele cita a pesquisa feita pela ThreadUP, uma das principais plataformas de revenda de roupas nos Estados Unidos, que mostrou o grande crescimento desse mercado durante a pandemia. “Os valores movimentados pela revenda de roupas nos EUA dobraram desde 2019 e a projeção é que esse número triplique até 2025”, pontua o gerente.

A pesquisa da ThreadUP também detectou que os principais varejistas de vestuário já estão planejando como potencializar esse mercado e um dos caminhos escolhidos é a formação de parcerias: 60% acreditam que a forma mais viável de alcançar novos mercados é se unir às empresas já especializadas no segmento, porque a logística é muito diferente do que estão habituados. Apesar disso, 28% disseram que pretendem estruturar uma operação própria.

LEIA MAIS: Brechós crescem e podem pegar lugar das fast fashion

Para os empreendedores brasileiros, Rissete recomenda que eles façam um bom planejamento, que conheçam bem seu público e saibam de quem irão comprar os produtos.

Além disso, a presença no mundo digital pode favorecer uma captação maior de clientes para que ocorra uma maior recorrência de compras das mercadorias.

“Ter uma boa vitrine digital é essencial e, por se tratar da venda de produtos usados, é importante que o empreendedor divulgue fotos com boa resolução e descrevam a real situação do produto. A tecnologia deve ser usada para incrementar as vendas”, orienta.

METODOLOGIA

O levantamento foi feito com base no CNAE 4785-7/99 que compreende o comércio varejista de moedas de coleção e selos de coleção, livros e revistas usados e outros artigos usados, tais como móveis, utensílios domésticos, eletrodomésticos, roupas e calçados, material de demolição.

 

IMAGEM: Thinkstock






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade