Negócios

Ela começou como sacoleira, hoje é uma empresária premiada


Fabiana Cabral vende acessórios femininos e masculinos pelo sistema delivery


  Por Agência Sebrae 07 de Março de 2016 às 12:03

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


No começo eram oito bolsas confeccionadas para o público feminino, transportadas dentro do porta-malas do carro, e poucas clientes. Quatro meses se foram e a professora Fabiana Barbosa Cabral, administradora e mestra em Desenvolvimento Local, já dá sinais de satisfação pelo investimento que cada vez mais atrai pequenas empreendedoras, o negócio sobre rodas.

Fabiana é dona do Street Bags, uma loja móvel conduzida por uma Kombi, já fora de moda, fabricada em 1965, que segue até suas freguesas assim que acionada. A empresária começou seu negócio como muitas empreendedoras brasileiras, informalmente, trabalhando como sacoleira. Formada em Administração, ela dava aulas em cursos profissionalizantes na capital Campo Grande (MS) quando se mudou para Araçatuba (SP), acompanhando o marido, transferido a trabalho. Desempregada, resolveu comprar bolsas em uma fábrica local e revendê-las em sua cidade de origem.

SAIBA MAIS: O comércio sobre rodas está pegando 

“Deixei de ministrar aulas porque mudei de Campo Grande, fui para Araçatuba (SP) com minha família, ocasião em que tive a intuição de começar a vender bolsas [do clássico ao despojado]. Logo retornamos e pus minha ideia em prática. No começo vendia só para amigas e conhecidas, mas com a propaganda ‘boca a boca’ consegui novas clientes” conta a professora-investidora.

Em 2013, prestes a concluir um mestrado, viu que o negócio crescia cada vez mais e decidiu se formalizar. “Foi quando procurei o Sebrae e apresentei minha ideia de loja móvel”, lembra Fabiana, que criou a Street Bags a bordo de uma Kombi ano 65. Com um investimento inicial de R$ 25 mil, a empreendedora comprou o veículo e contratou um profissional para fazer as adaptações necessárias e deixar a Kombi com um ar retrô.

Apesar de contar com mobilidade, a empresária tem um planejamento fixo mensal, em que prevê todos os locais de visita. Fabiana credita o sucesso do negócio ao atendimento personalizado. “Prefiro ir até a cliente, com horário marcado, do que ficar esperando em algum determinado ponto de passagem. Aviso pelas redes sociais e até por Whats App o roteiro do dia”, explica. 

Fabiana revela que antes de montar sua Street Bags já estudava o mercado. “Sempre amei bolsas, acessórios e sapatos como a maioria das mulheres, então isso com certeza contribuiu para a tomada de decisão da abertura da empresa. Eu sempre estou atenta a programas, blogs e site de modas deste gênero e também sempre busco novas informações sobre gestão”, disse a empresária.

A abordagem delivery proporciona, claro, comodidade aos clientes, mesmo assim,  “o custo operacional da loja é baixo, entretanto sem estratégia de vendas fica inviável o negócio. Os atendimentos em modo geral são para um grupo de mulheres em potencial. Com dia, hora e local pré-agendado”.

SUCESSO

Mãe de três filhos, ela conta que tinha pouco tempo para se dedicar à família, devido à rotina acadêmica e profissional. Hoje, comemora a flexibilidade que o empreendedorismo proporcionou. “Por dois anos ministrei aulas sobre o assunto, mas nunca me via empresária. Percebi que precisava da prática. A necessidade me levou a vender e, quando conquistei uma carteira de clientes fiéis, percebi que poderia dar certo”, diz. 

Vencedora na categoria Microempreendedora Individual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, entregue na última quinta-feira (3/3), em Brasília, Fabiana tem planos concretos para o futuro. “Fechamos uma parceria com uma indústria para fabricarmos sapatos que levarão a nossa marca e que serão vendidos pelo nosso site, que passa a funcionar neste mês. No começo, teremos alguns modelos na Kombi e farei todo o processo junto com a cliente, com ajuda do tablet. Depois de fecharmos a compra, o produto será entregue na casa dela”, esclarece, mas não para por aí. “Daqui a alguns anos, queremos atender o Brasil inteiro pelo site”, completa.    

Além do troféu Ouro, também foram premiadas duas mulheres na mesma categoria. Thaís Sainara Peretto Picaz Bilhalba, do Rio Grande do Sul, ficou com o segundo lugar. Dona da Diraça Distribuidora de Rações, que entrega ração para animais domésticos em domicílio, ela fecha e agenda as encomendas por meio das redes sociais e Whats App. Já Marcela Gizzi Mendes, proprietária da La Gizzi, levou o Bronze com seu negócio que vende adornos de prata, semijoias, acessórios inovadores e exclusivos.