Negócios

Dia das Mães será de lembrancinhas... mais uma vez


Com renda menor e medo do desemprego, consumidor deve comprar artigos mais em conta ou à vista, afirma ACSP. Queda nas vendas será de 4,1%, de acordo com estimativa da CNC


  Por Karina Lignelli 26 de Abril de 2016 às 14:30

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


O comércio deve ficar no vermelho mais uma vez neste Dia das Mães, segunda principal data do varejo, atrás apenas do Natal.

As vendas relacionadas à comemoração devem cair 4,1% em relação ao ano passado, estima a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O resultado será o pior desde o início da série, em 2004.

Isso mostra que, de novo, a data será de lembrancinhas: com a queda na massa salarial de 11,2% e o índice de desemprego na casa dos 10%, o consumidor deve optar por itens de menor valor para presentear, segundo a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que enxerga esse cenário como reflexo da crise.  

“Os setores de móveis e eletrodomésticos serão muito prejudicados porque o consumidor está inseguro e avesso a riscos. Ele também não tem confiança para se endividar nesse momento, pois não acredita na recuperação da economia”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 

Segundo a CNC, as opções de presente para as mães estarão nos segmentos de artigos de uso pessoal e doméstico, que devem ter um crescimento de 4,4% em relação à data em 2015, e de vestuário, calçados e assessórios, com previsão de alta de 2,3%.

"Menos dependentes das condições atuais de crédito e com variações de preços menos acentuadas nos últimos meses, as vendas nesses dois segmentos, caracterizados por tíquetes médios mais baixos, deverão responder por quase dois terços de toda a movimentação do varejo nessa data em 2016", afirma Fabio Bentes, economista da CNC.

LEIA MAIS:Intenção de consumo das famílias cai 5,5% em abril

A Pesquisa Trimestral de Intenção de Compra no Varejo, do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (Ibevar) confirma: a expectativa de compra do consumidor para o período abril-junho é de 40,2%, a menor desde 2002. 

“A confiança do consumidor em patamar baixo, puxada pela queda na renda e a alta nos juros reforça esse cenário”, diz o professor Cláudio Felisoni de Angelo, presidente do Ibevar. 

Apesar do recuo, a CNC prevê que as vendas para o Dia das Mães devem movimentar aproximadamente R$ 5,7 bilhões neste ano.

Mas nem o comércio está animado: uma consulta a lojistas da região do Brás e do Centro da capital paulista mostra que, ou não há ações voltadas à data, ou as que têm, são tímidas. Já as coleções típicas dessa época, voltadas à moda Outono-Inverno, ainda não deslancharam devido ao calor. 

“Só vamos fazer algo mais próximo da data para chamar mais atenção”, diz Viviane Santos, gerente de vendas da loja de moda unissex e plus size Conexão Shyro’s. 

Mesmo assim, ela acredita que, para presentear mães e avós, os consumidores vão fugir um pouco da “economia” que têm feito para comprar. “Tem que acreditar. Senão, não vende.”

LEIA MAIS:Empresas devem abrir 23 mil vagas para o Dia das Mães

Peças de vestuário e calçados realmente serão uma possibilidade entre os presentes mais em conta ou para pagar à vista, diz Emílio Alfieri, economista da ACSP. 

“Mas, se o frio não chegar, as coleções podem encalhar nas lojas, e a opção será por lembranças de menor valor, como livros, bijuterias ou cosméticos", completa o economista. 

LEIA MAIS:Vendas do comércio podem cair 9% em 2016, estima CNC

Eletrodomésticos ou eletroeletrônicos para as mães - os bens duráveis - nem pensar: segundo Alfieri, de acordo com a última pesquisa da ACSP/Ipsos, 62% dos consumidores avessos ao crédito não pretendem comprar a prazo. 

Outros 57% não se sentem seguros em relação ao emprego, portanto, não estão à vontade para fazer esse tipo de compra. Dos entrevistados, apenas 16% estão à vontade, lembra o economista. Em 2015, porém, esse total era de 31%.

“Resta aos lojistas fazerem boas promoções ou esticarem mais os prazos para ver se conseguem atrair de verdade esses clientes”, diz o economista da ACSP.

SALVA OU NÃO SALVA?

Mesmo sem fazer previsões numéricas, a perspectiva da ACSP é de continuidade da trajetória de queda nas vendas do comércio na primeira quinzena de maio

Alfieri lembra que, em igual período do ano passado, o recuo foi de 2,7%. Nesse ano, o resultado deve continuar ruim, já que o quinto dia útil do mês, data do pagamento de muitos consumidores, cairá na sexta-feira que antecede o Dia das Mães. 

LEIA MAIS:Com a economia em frangalhos, varejo aperta o cinto à espera da retomada

Será uma corrida de “última hora”, segundo o economista. “Além do problema macroeconômico e de estarmos em um momento maior de incerteza política, o calendário também não vai ajudar.”

“Ou seja: de novo, nem o Dia das Mães deve salvar o varejo esse ano”, resume o professor Felisoni, do Ibevar. 

Foto de abertura: Thinkstock - Notícia publicada em 25/04/2015 e atualizada em 26/04/16 às 14h15

*Com informações do Estadão Conteúdo