Negócios

Dia das Mães 2019 deve movimentar R$ 9,7 bilhões


Estimativa para a segunda maior data em vendas do varejo é da CNC. Já a Boa Vista aponta crescimento de 2% a 2,5% na data, resultado que se manterá positivo pelo terceiro ano consecutivo


  Por Estadão Conteúdo 02 de Maio de 2019 às 13:30

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Apesar da demora para a economia deslanchar, as mães não vão ficar sem presente neste ano: levantamento da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista projeta um crescimento entre 2% e 2,5% das vendas para a data em comparação a igual período de 2018. Com isso, o movimento do comércio na data deve registrar resultado positivo pelo terceiro ano consecutivo, após as quedas observadas em 2015 e 2016 (-1,2% e -4,6%, respectivamente). 

O crescimento entre 2% e 2,5% em 2019, porém, deve ser inferior aos 4% registrados no ano passado. Segundo os economistas da Boa Vista, o alto nível de desemprego e a recente queda da confiança estão segurando o ritmo de expansão das vendas do varejo, o que tende a se refletir no movimento das datas comemorativas do primeiro semestre.
 
LEIA MAIS:O varejo em mutação
 
Mais otimista, e baseado em outra metodologia, o levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima alta real de 3,8% das vendas para o Dia das Mães de 2019 em relação ao ano anterior.
 
"A data é considerada o 'Natal do primeiro trimestre', devendo registrar movimentação financeira de R$ 9,7 bilhões neste ano - nível equivalente ao volume de vendas verificado em 2014 (R$ 9,6 bilhões)", diz a entidade, em nota.

BOA VISTA: VENDAS POSITIVAS PELO 3º ANO CONSECUTIVO
As vendas de perfumarias e cosméticos devem liderar a alta, com expansão de 11,1%, espera a CNC. O segmento de vestuário, calçados e acessórios também devem crescer na casa de dois dígitos, com expansão de 10,1%. 

"Este segmento, aliás, costuma ser o carro-chefe da data, com movimentação esperada de aproximadamente R$ 3,8 bilhões (39% das vendas totais)", estima a confederação. 

Já as vendas no ramo de livrarias e papelarias devem registrar forte queda de 21% em relação a 2018.

"A principal razão para o terceiro aumento consecutivo do faturamento real do varejo brasileiro, nessa data comemorativa, reside no comportamento dos preços", afirma a CNC. Apesar da alta de cerca de 7% no dólar entre maio e o mesmo mês do ano passado, a fragilidade do processo de recuperação econômica tem, desde o fim da recessão, inibido repasses de preços ao consumidor acima da taxa de inflação em diversos segmentos, avalia a entidade. 

EMPREGOS

O quadro otimista para as vendas no Dia das Mães deve contribuir para o maior nível de contratações temporárias para a data nos últimos quatro anos, aponta a confederação, com cerca de 22,1 mil postos de trabalho. 

A geração de vagas deverá se concentrar principalmente em São Paulo (6,3 mil), Minas Gerais (2,4 mil) e Rio de Janeiro (1,9 mil). O salário médio de admissão deve ficar em torno de R$ 1 262, com alta de 4% ante o valor médio da remuneração no Dia das Mães do ano passado.

"Embora a quantidade de vagas temporárias ofertadas seja maior em 2019, a taxa de efetivação deverá ser menor (4,7%) do que em anos anteriores", sinaliza a CNC, citando a lentidão na retomada econômica e as sucessivas revisões nas projeções do PIB e do próprio varejo em 2019. 

A média histórica indica que 5,5% das contratações temporárias são efetivadas após a segunda data comemorativa mais importante para o comércio. 
 
IMAGEM: Thinkstock