Negócios

Crise ainda ameaça 180 mil micro e pequenas indústrias em São Paulo


Demissões e dificuldade de acesso ao crédito são os principais indicadores que fazem essas empresas temerem o futuro, segundo pesquisa Simpi/Datafolha


  Por Karina Lignelli 15 de Março de 2018 às 15:30

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Apesar da expectativa de crescimento da economia em 2018, os micro e pequenos industriais do Estado de São Paulo (MPI's), que respondem por 42% do setor, permanecem com dificuldades nos negócios.

Ao todo, 180 mil MPI's temem pelo futuro devido à crise. O dado é da 60ª rodada do Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, encomendado pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria (Simpi) ao Datafolha.

O estudo de fevereiro revela que o número de demissões caiu de 19% para 13% em relação a janeiro, porém as demissões continuam superiores às contratações, que ficaram em 11%. Os números comprovam que este é o quinto ano consecutivo de perda líquida de emprego para as MPI's.

LEIA MAIS: Intenção de investimentos na indústria avança no 1º trimestre

"A realidade é que as micro e pequenas indústrias ainda estão em uma situação delicada, com queda da satisfação quanto ao lucro, do faturamento e do ambiente de negócios", afirma Joseph Couri, presidente do Simpi.

O acesso ao crédito também representa um empecilho para as MPI's, que têm tido dificuldade de obtê-lo junto aos bancos. Em fevereiro, 14% dos empresários haviam realizado consulta para empréstimos ou financiamentos.

Destes, apenas metade obteve crédito. Entre as principais dificuldades na obtenção de empréstimos estão: as altas taxas de juros, linhas adequadas para o tamanho do negócio e garantias exigidas.

"Sem acesso a linhas de crédito, as micro e pequenas indústrias não têm capital para investir na própria empresa e manter o funcionamento saudável dos negócios", finaliza Couri. 

FOTO: Thinkstock