Negócios

Confiança do comércio sobe 2% em janeiro ante dezembro


Esse é o melhor resultado para o mês desde 2013, de acordo com levantamento da CNC


  Por Estadão Conteúdo 16 de Janeiro de 2020 às 11:38

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Os comerciantes brasileiros começaram o ano de 2020 mais otimistas, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 2% em janeiro ante dezembro, a quinta alta consecutiva, alcançando 126,6 pontos. O resultado foi o maior para janeiro desde 2013.

Na comparação com janeiro de 2019, o Icec aumentou 4,7%. A recuperação gradual da atividade econômica tem ajudado a melhorar o ânimo dos empresários do comércio, justificou a CNC.

LEIA MAIS:Para ACSP, vendas do varejo crescem, mas abaixo do esperado

Na passagem de dezembro para janeiro, o componente que mede as avaliações sobre as condições atuais do empresário do comércio avançou 1,4%, para 108,2 pontos. Na comparação com janeiro de 2019, houve elevação de 17,9%. O componente que mede as expectativas do empresário do comércio cresceu 1,7% em janeiro ante dezembro, para 162,1 pontos. Em relação a janeiro do ano passado, porém, houve redução de 2,3%.

Quanto ao componente que avalia as intenções de investimentos, houve uma elevação de 2,5% em janeiro ante dezembro, para 109,5 pontos. Em relação a janeiro de 2019, o item subiu 4,1%. As intenções de investimento na própria empresa cresceram 2,5% em janeiro de 2020 ante dezembro de 2019, atingindo 103,3 pontos, o melhor resultado desde junho de 2014. O subitem ficou acima dos 100 pontos - zona de avaliação positiva - pela primeira vez desde janeiro de 2015, ressaltou a CNC.

O porcentual de empresários dispostos a investir mais em seus negócios chegou a 53,4% do total de entrevistados em janeiro deste ano, contra uma fatia de 50,4% registrada em dezembro. Em janeiro de 2019, 46,1% dos empresários pretendiam investir mais nos negócios.

As condições correntes macroeconômicas favoráveis e a melhora das expectativas em relação à economia e ao setor ajudam a explicar esse resultado, avaliou a economista da CNC Izis Ferreira, em nota oficial.