Negócios

Confiança de empresário recua para patamar de 2018


Piora tem sido mais concentrada nos setores da construção e comércio, de acordo com a FGV


  Por Estadão Conteúdo 01 de Abril de 2019 às 10:06

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 2,7 pontos em março ante fevereiro, para 94,0 pontos, o menor nível desde outubro de 2018.
 
Com o resultado, o índice ficou 0,5 ponto abaixo do nível de março do ano passado, informou a FGV nesta segunda-feira, dia 1º. Na métrica de médias móveis trimestrais, houve também um recuo de 0,5 ponto em relação a fevereiro, após quatro altas seguidas.

"O retorno, em março, da confiança empresarial ao nível de março do ano passado, após esboçar uma recuperação no início do ano, é uma história das idas e vindas do componente de expectativas do indicador. Primeiro, houve aumento do pessimismo entre março e setembro de 2018, decorrente da combinação de desaceleração econômica interna, crise argentina, greve dos caminhoneiros e aumento das incertezas eleitorais", explicou em nota o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV Ibre, Aloisio Campelo Jr.

Segundo ele, após as eleições "houve calibragem das expectativas e uma onda de otimismo com o novo governo", mas o desapontamento com o ritmo lento da economia e com a manutenção de níveis elevados de incerteza econômica fez o índice recuar.

O ICE consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV Ibre: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.

O Índice de Situação Atual caiu 1,5 ponto em março, para 89,9 pontos, voltando ao nível de novembro de 2018. Já o Índice de Expectativas (IE-E) cedeu 2,9 pontos e fechou o trimestre em 98,1 pontos, o menor nível desde outubro do ano passado. Nos dois últimos meses o IE-E acumulou perdas de 4,1 pontos.

Todos os subíndices que integram o ICE recuaram em relação ao mês anterior. A confiança da indústria, que parecia seguir rumo à neutralidade, caiu 1,8 ponto em março.
 
Com a segunda queda consecutiva, a confiança do setor de serviços retornou ao patamar de novembro de 2018. No comércio, a confiança recuou pela terceira vez seguida, acumulando perda de 8,3 pontos no primeiro trimestre de 2019.
 
A confiança da construção caiu 2,5 pontos, permanecendo abaixo dos 90,0 pontos. Na métrica de médias móveis trimestrais, apenas a Indústria avançou em março.

No mês passado, a confiança avançou somente em 22% dos 49 segmentos que integram o ICE. Em fevereiro, a disseminação de alta havia alcançado 41% dos segmentos.
 
"A piora tem sido mais concentrada nos setores da construção e comércio. O primeiro é o destaque negativo no mês por registrar queda em 10 de 11 segmentos. Já no comércio, que estava com níveis elevados de expectativas em janeiro, a confiança cresceu em apenas um de seis segmentos nos dois últimos meses", informou a FGV.