Negócios

Compras de supermercado online? Deixa com eles


Pesquisa da Kantar constata que estereótipo do gênero feminino como responsável pelas compras do lar realmente não é fundamentado nesse canal de vendas


  Por Redação DC 08 de Outubro de 2019 às 15:54

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Um novo estudo divulgado pela Kantar ajuda a confirmar que muitos dos estereótipos de gênero propagados por comunicações de diversas marcas estão equivocados: entre os e-shoppers, 47% dos homens fizeram compras de supermercado online, contra 39% das mulheres. Os dados são do eCommerce On, pesquisa realizada globalmente em 14 países, com 16 macrocategorias, analisando mais de 100 mil atos de compras e o comportamento de 27 mil compradores online.

Ainda assim, muitas das propagandas de categorias relacionadas à ida ao supermercado são direcionadas ao gênero feminino. De acordo com o AdReaction – Getting Gender Right, outro levantamento realizado pela Kantar, em campanhas de produtos de limpeza da casa, por exemplo, as mulheres representam 89% do target das comunicações, 85% em alimentos e 76% em higiene pessoal. No entanto, 80% dos homens também são decisores dessas compras, junto com 91% das mulheres.  

LEIA MAIS:Vaidade masculina impulsiona o mercado de beleza

Neste caso, a oportunidade é dupla: aumentar o número de mulheres que fazem esse tipo de compras online mostrando uma comunicação mais equilibrada e fugindo de imagens batidas em relação ao gênero feminino, e também entender as barreiras específicas a esse público. A análise realizada pela Kantar aponta que marcas que equilibram a atenção nos dois gêneros impulsionam um valor maior.  

Entender os receios e necessidades de cada um dos gêneros no e-commerce também é muito importante. “As marcas precisam agir de forma diferente em cada caso, pois os compradores têm diferentes necessidades e motivações. O que significa entender o perfil de cada um deles e entregar soluções específicas”, afirma Luciana Piedemonte, diretora e líder de commerce da Kantar Brasil. “Temos que colocar o shopper e suas necessidades no centro da estratégia de e-commerce.”

FOTO: Thinkstock