Negócios

Como diversificar petshops e serviços veterinários na crise


Mesmo considerado serviço essencial, segmento sofreu queda de 51% no faturamento devido às medidas restritivas relacionadas ao novo coronavírus, segundo o Sebrae


  Por Agência Sebrae 27 de Abril de 2020 às 11:36

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


As medidas de prevenção estabelecidas para o combate à pandemia do novo coronavírus, com o fechamento de alguns estabelecimentos comerciais e a determinação de distanciamento social, também afetaram a rotina de petshops e clínicas veterinárias.

Apesar de considerados serviços essenciais, eles têm funcionado com algumas restrições, como por exemplo, em relação aos serviços de banho e tosa, que não estão autorizados em muitas localidades do país.

De acordo com a analista do Sebrae, Hannah Salmen, agora é o momento de buscar diminuir os prejuízos causados pela pandemia e aproveitar o período de confinamento em casa para incentivar, junto aos clientes, atividades que possam gerar mais conexão entre o tutor e os seus bichinhos de estimação.

“Passar mais tempo em casa significa ampliar essa conexão, estar mais atento à sua alimentação, ao enriquecimento ambiental, com atividades que possam demandar brinquedos e outras atividades”, afirma.

LEIA MAIS:Rede de franquias cresce com guloseimas que medicam de cães a pinguins

Em recente pesquisa de impacto do coronavírus nos pequenos negócios, o Sebrae identificou que o segmento de petshops e serviços veterinários registrou queda de 51% no faturamento, no período do levantamento, entre os dias 3 e 7 de abril.

Além disso, 54% das micro e pequenas empresas do setor avaliaram que mudaram o modo de funcionamento para se adaptar ao novo cenário, sendo que a maioria delas (74%) estão fazendo rodízio de funcionários e (15%) realizam serviços via drive thru.

Na opinião da analista do Sebrae mesmo enfrentando dificuldades, há negócios no segmento de petshop, com crescimento de pelo menos 20% neste período.

“Os donos de pequenos negócios que há dois anos apostaram no caminho da inovação, estruturaram delivery, clube de compras, presença digital e fidelização de clientes estão conseguindo se manter”, afirmou.

Segundo a especialista, é possível agregar novos serviços às atividades já existentes, como horários exclusivos de atendimento, aulas de adestramento online, dicas de higienização, clubes de assinatura, dentre outras práticas.

Para investir no relacionamento e na fidelização dos clientes, é recomendado promover conteúdo de qualidade nas redes sociais e comunicação constante com o cliente, propondo ações criativas, inovadoras e de baixo custo.

FOTO: Thinkstock