Negócios

Comércio de São Mateus quer superar crise com vendas de Natal


Com quase mil estabelecimentos, varejo da avenida Mateo Bei está mais aquecido desde novembro. Empresários da região esperam aumento de até 20% nas vendas


  Por Mariana Missiaggia 18 de Dezembro de 2018 às 08:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


A área de comércio popular de São Mateus, é uma das que mais movimenta consumidores na Zona Leste de São Paulo. Esse ano, lojistas da avenida Mateo Bei, que reúne quase mil estabelecimentos e salas comerciais e emprega cerca de cinco mil trabalhadores, vive boas expectativas para as vendas de fim de ano.

Desde novembro, o fluxo de clientes no endereço tem sido intenso, especialmente, aos sábados e domingos, quando as lojas funcionam em horário estendido.

Há 20 anos no local, Marcelo Doria, proprietário do Depósito da Lingerie, aposta num Natal diferente. Na última comemoração, o empresário diz que os consumidores ficaram restritos às compras básicas, que não corresponderam às expectativas. Para esse ano, a previsão é crescer as vendas entre 6% e 8%.

“Ano passado, percebemos um cenário de muita escassez. O cliente fez compras enxutas. Esse ano, a cesta de compras já possui produtos de um valor agregado um pouco maior”, diz Doria.

Após a liberação da primeira parcela do 13º, que Doria acredita que a maioria dos consumidores utilizaram para quitar dívidas, houve também um crescimento de 3% nas vendas realizadas nos primeiros dez dias de dezembro.

Ele acredita que as vendas sejam ainda mais impulsionadas a partir do próximo sábado (15/12), quando os consumidores recebem a última parcela do benefício e finalmente saem as compras.

Além das ofertas, a estratégia utilizada pela Empório dos Óculos para atrair mais clientes neste fim de ano foi inovadora. O negócio passou a oferecer atendimento oftalmológico na própria loja quatro vezes por semana, inclusive aos sábados.

De acordo com Zuleide Campos, gerente da loja, muitos consumidores não conseguem agendar consultas nas datas em que desejam ou em outros casos, acabam deixando as receitas esquecidas em casa.

“Aqui (loja), eles resolvem tudo de uma só vez. Descomplicamos algo que vale ouro, a gestão do tempo”, diz.

Zuleide diz que desde junho, as vendas vem crescendo mês a mês e a expectativa é de neste mês cresçam 20% em relação ao mesmo período do ano anterior.

CASTRO, DA ATUAL MODAS, ESPERA CRESCIMENTO DE 10%

Na Atual Modas, loja especializada em alfaiataria masculina, Marcos Antonio Castro, gerente da loja, espera um crescimento de no mínimo 10% para o mês de dezembro.

Segundo Castro, além das vendas para presentes, o último mês do ano ainda é momento em que muitas famílias realizam a tradicional compra com o benefício do 13º salário.

Com camisas que podem custar de R$ 59,90 a R$ 229, 90, o tíquete médio da loja é de R$ 200. 

A expectativa com o novo governo, a inflação sob controle e a facilidade de acesso ao crédito são algumas das razões para esse cenário de otimismo, na opinião de Claudionor Correa Leão, superintendente da Distrital São Miguel, que compreende também a região de São Mateus.

Para Leão, além do aumento no movimento de clientes, em geral, os comerciantes também estão mais animados com a possibilidade de que o novo governo realize reformas, que aliviem a situação tributária dos negócios.

“O comércio precisa sobreviver e, além de iniciativas que estimulem o consumo, precisa de um ambiente favorável ao empresariado”, diz Leão.

Considerado um distrito da capital, São Mateus tem um população estimada em 122 mil habitantes com renda média de R$ 3,2 mil, de acordo o IBGE. 

FOTOS E VÍDEO: William Chaussê/Diário do Comércio