Negócios

Comércio de Campinas projeta alta de até 5,5% nas vendas de Natal


Números do varejo em novembro já demonstram uma alteração positiva no nível de confiança dos empresários e consumidores


  Por Redação Facesp 10 de Dezembro de 2018 às 17:23

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Por Laerte Martins, economista e diretor da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic)

Dados da Boa Vista SCPC referentes a novembro indicam que as vendas no comércio varejista de Campinas e região cresceram 8,31% sobre as vendas de outubro, e 1,20% ante o mesmo mês do ano passado.

Apesar de novembro apresentar menos três dias úteis, com feriados, observa-se que o comércio expandiu em 8,31% sobre as vendas de outubro, mas foi o evento da Black Friday, no final do mês, que provocou esse aumento sobre outubro, compensando as perdas com a redução nos dias úteis.

Em relação às vendas de novembro de 2017, o efeito foi bem menor e a movimentação se elevou em 1,20% com a venda à vista, se retraindo em (-3,56%), apesar das vendas a prazo, terem se elevado em 3,14%.

A participação do e-commerce ficou em 9,10% sobre as vendas físicas da região, correspondendo a 80.413 consultas, equivalendo a R$ 291,9 milhões.

A inadimplência em Campinas apresentou uma elevação de 93,29% sobre outubro de 2018 e uma redução de (-4,47%) sobre novembro de 2017.

No acumulado do ano, janeiro a novembro a evolução foi de 1,69% abaixo dos 2,00% do acumulado janeiro a outubro, demonstrando que ficaram 218.577 carnês/boletos não pagos a mais de 30 dias, o que representou cerca de R$ 158,1 milhões no endividamento dos consumidores de Campinas.

Na Região Metropolitana de Campinas, a inadimplência apresentou, também, uma elevação de 1,69% (no acumulado até novembro), com 522.802 carnês/boletos vencidos e não pagos a mais de 30 dias, o que representou R$ 392,1 milhões no endividamento dos consumidores da RMC.

Os números do varejo em novembro já demonstram uma alteração positiva no nível de confiança dos empresários e consumidores, bem como, na melhoria de indicadores econômicos da Bolsa de Valores, câmbio, juros e inflação, e até na melhoria do PIB deste ano, de 1,50% para 2,0%/2,5% para 2019.

Diante dessas premissas, teremos uma boa elevação para as vendas do Natal, que deverá se expandir entre 5% e 5,5% sobre as vendas de Natal do ano passado, que ficaram em 2,5% sobre a data do ano anterior.

FOTO: Acic