Negócios

Com mais reaberturas, vendas do comércio paulistano sobem 19,8%


Flexibilização de setores como o de bares e restaurantes ampliou a circulação de pessoas e ajudou a puxar a alta média das vendas em julho, segundo a ACSP


  Por Karina Lignelli 05 de Agosto de 2020 às 12:15

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


A alta média de 19,8% nas vendas do comércio paulistano em julho, medida pelo Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), sinaliza os primeiros reflexos do processo de reabertura, iniciado no último dia 10 de junho.  

O movimento de vendas a prazo cresceu 25,6% no período, ante o mês anterior, de acordo com o levantamento. Já as vendas à vista aumentaram 14%, na mesma base de comparação.

Com a economia reabrindo aos poucos, a ampliação do horário de funcionamento das lojas de rua e shoppings e novos setores sendo flexibilizados, como bares, restaurantes e academias, a tendência é que comércio se recupere gradualmente, afirma Marcel Solimeo, economista da ACSP.

“Mais pessoas voltaram a trabalhar nos escritórios, estão almoçando fora e, com isso, aumentou o movimento nas ruas – o que é bom também para as lojas”, afirma.

Apesar de a queda no movimento ter diminuído bastante na comparação anual, as vendas devem se recuperar lentamente, já que as perdas foram muito fortes na pandemia, diz o economista.

Pelos dados do Balanço da ACSP, as vendas a prazo registraram queda de 35,7% em julho, ante igual período de 2019. Já as vendas à vista recuaram 59,7%. A queda média foi de 47,7%.

“Essa lentidão se deve ainda ao receio dos consumidores de saír de casa, mas principalmente pela queda de renda, que se acentuou nos últimos meses”, lembra Solimeo.

A expectativa agora, segundo o economista, é que São Paulo passe o quanto antes para a fase verde do plano de flexibilização do governo, para que a economia ganhe um pouco mais de ritmo.

“Mas, por enquanto, o Dia dos Pais deve ser uma motivação adicional para dar força ao varejo”, destaca.  

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia da ACSP, com base em amostra fornecida pela Boa Vista Serviços.

FOTO: Rovena Rosa/Agência Brasil