Negócios

Brasileiro vai gastar em média R$ 191 em presente para a mãe


Oito em cada dez consumidores afirmam que comprarão em lojas físicas, aponta levantamento da Boa Vista


  Por Redação DC 07 de Maio de 2019 às 08:58

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Para decidir o que comprar neste Dia das Mães, 53% dos cerca de 1.200 entrevistados pela Boa Vista, em sua tradicional pesquisa que tem como objetivo identificar o comportamento de compras dos brasileiros nesta data comemorativa, disseram que irão observar o que a mãe ou pessoa que pretendem presentear realmente necessita.

Realizada em abril, com consumidores de todo o país, a pesquisa da Boa Vista constatou que outros 20% deixarão a surpresa de lado e perguntarão diretamente à pessoa o que deseja ganhar.

Outros 15% informaram que pesquisarão o que comprar na internet. 9% pedirão sugestão a parentes/amigos. 3% se nortearão pelas propagandas de TV.

De um modo geral, 68% dos consumidores entrevistados informaram que irão comprar presentes neste Dia das Mães. Destes, 26% alegaram que pretendem gastar mais este ano do que na comparação com o ano passado (eram 33% em 2018). 55% disseram que irão gastar a mesma quantia (contra 47% na data passada) e 19% gastarão menos (contra 20%).

93% dos consumidores que declararam que irão comprar vão presentear as mães. No entanto, 32% dos consumidores irão presentear mais de uma pessoa nesta data. As sogras e avós entram na lista com 35% das menções.

Quando comprarão?
70% dos entrevistados disseram que lembram de comprar o presente em função da proximidade da data comemorativa. Por conta deste comportamento, 74% farão a compra do presente na semana do Dia das Mães, sendo que 19% deixarão para a última hora (na véspera ou mesmo no dia). Por outro lado, 26% disseram que compram duas semanas ou mesmo em até um mês antes.

Onde comprarão?
87% dos consumidores irão comprar os presentes de Dia das Mães em lojas físicas (destes, 47% em Lojas de Rua). Outros 36% irão recorrer às Lojas de Shoppings, 14% aos Grandes Magazines e 3% em Supermercados e Hipermercados. 13% farão a compra pela Internet.

O que comprar?
60% comprarão itens de uso pessoal para presentear neste Dia das Mães (vestuário, calçados, cosméticos, etc.). Destes, 30% referem-se especificamente à compra de itens de vestuário, 23% perfumaria e acessórios e 7% joias e relógios. Outros 15% irão comprar móveis, eletrodomésticos e itens para casa.

Outros 11% itens relacionados a entretenimento (jantar, livro, viagem). 7% flores. 4% celular ou smartphone. E 1% eletrônicos e itens de informática.

Valor gasto e meio de pagamento
76% pretendem gastar até R$ 200 com a compra do presente para o Dia das Mães, percentual que permaneceu estável com relação à mesma data passada. No geral, o consumidor irá gastar em média R$ 191 com o presente, contra R$ 196 comparado ao ano de 2018.

68% dos consumidores irão comprar o presente do Dia das Mães e pagar à vista (mesmo % registrado em 2018). Destes, 42% farão com o débito e 41% com dinheiro em espécie. 16% farão uso do cartão de crédito sem parcelamento e 1% por meio de boleto.

Pagar à vista ou a prazo
Outros 32% irão comprar os presentes de Dia da Mães e optar por parcelar o valor gasto. 88% utilizarão o cartão de crédito, 9% do carnê e boleto e apenas 3% o débito programado em conta.

Não vou comprar porque...
32% dos consumidores entrevistados pela Boa Vista afirmaram que não irão comprar presentes neste Dia das Mães. 50% porque estão endividados ou sem condições financeiras (em 2018 eram 47% nessa condição). 15% porque estão desempregados (contra 19% no ano passado). 15% porque não costumam presentear nesta data e outros 20% por outros motivos.

LEIA MAIS: Dia das Mães deve movimentar R$ 9,7 bilhões

A pesquisa Hábitos de Consumo - Dia das Mães 2019, da Boa Vista, utilizou metodologia quantitativa, feita por meio de sondagem via internet (questionário eletrônico). Foi realizada com cerca de 1.200 respondentes, de diferentes regiões do país, entre 5 e 24 de abril de 2019. Para a leitura dos resultados considerar 95% de grau de confiança e margem de erro de 2,8%.