Negócios

Brasil e Argentina discutem facilitação de comércio


As compras de governos estaduais e de empresas estatais também estão na mesa de negociação


  Por Estadão Conteúdo 14 de Setembro de 2017 às 18:06

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Após a 5ª reunião da Comissão de Produção e Comércio entre Brasil e Argentina, o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Abrão Neto, relatou que o encontro tratou de diversas questões de facilitação de comércio entre os dois países e sobre o Mercosul, incluindo o protocolo de compras governamentais no bloco.

"A previsão é de troca de ofertas já em setembro e o compromisso é de buscar a conclusão deste protocolo até o final do ano. Isso é importante porque o Mercosul também tem negociado este tema com a União Europeia", afirmou Neto. "No caso brasileiro, as compras governamentais representam 15% do PIB", acrescentou.

Segundo o secretário brasileiro, as compras de governos estaduais e de empresas estatais também estão na mesa de negociação, mas essa definição deve ocorrer apenas em outro momento.

"Estamos interessados em um acordo profundo e ambicioso de compras públicas e estamos muito otimistas", completou o secretário de Comércio do Ministério da Produção da Argentina, Miguel Braun.

Entre os temas abordados na reunião, Neto citou um trabalho que envolve o Banco Interamericano de Desenvolvimento para identificar gargalos e aproximar projetos de janelas únicas de comércio exterior em desenvolvimento nos dois países.

"Também pretendemos eliminar até o fim de 2018 o certificado de origem de papel, substituindo-o integralmente pela documentação eletrônica", afirmou.

Segundo Braun, o trabalho bilateral quer estimular que empresas brasileiras invistam "sem medo e trâmites excessivos" na Argentina, e vice-versa. Segundo ele, essa é a forma de se aproveitar o potencial produtivo conjunto dos países vizinhos.

"Estamos colocando o cimento de um edifício que será cada vez mais forte. Não é fácil sairmos juntos para negociar com outros países e blocos, não é simples simplificar o comércio no Mercosul para que as empresas pequenas possam vender dentro da região sem pagar altos custos", completou.

Questionado sobre o aumento do déficit comercial argentino, Braun admitiu que houve um crescimento significativo das importações de produtos brasileiros, mas ressaltou que as vendas para o Brasil também aumentaram. "O aumento do déficit com o Brasil está em linha com o a evolução do câmbio e da conjuntura macroeconômica. Nosso objetivo é aumentar as vendas ao exterior e as empresas exportadoras, incluindo as vendas para o Brasil", afirmou.

Braun também negou que o governo argentino planeje realizar uma reforma trabalhista a exemplo da brasileira. "A legislação trabalhista é uma discussão interna brasileira que repercute na Argentina, mas no curto prazo não há planos de se fazer uma reforma", completou.

O ministro do MDIC, Marcos Pereira, e o ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera, participarão nesta sexta-feira, 15, em São Paulo de um encontro com empresários na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI). "O objetivo é firmar um canal de diálogo mais amplo nos dois países com o setor privado, para receber sugestões e temas de interesse, dada a importância da relação bilateral entre Brasil e Argentina", concluiu Neto.

FOTO: Thinkstock