Negócios

Brasil cai no ranking da competitividade global


Relatório do Banco Mundial destaca redução da burocracia no país, mas as melhorias não foram suficientes para acompanhar as demais economias


  Por Redação DC 26 de Outubro de 2016 às 20:26

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O Brasil caiu sete posições no ranking Doing Business, organizado pelo Banco Mundial (Bird). No relatório, que analisa a capacidade de 190 economias fazerem negócio, o país aparece na 123° colocação. Na edição anterior do ranking, a economia brasileira era classificada na posição 116.

O relatório aponta que 137 países realizaram reformas em 2015 para melhorar o ambiente de negócios. Mas no caso do Brasil, o Bird considerou que as reformas feitas não foram suficientes para melhorar a competitividade.

Mas nem tudo o que foi feito por aqui no ano passado foi em vão. O relatório cita mudanças positivas, como a redução no tempo para se abrir empresas, melhoria possibilitada por sites dedicados a diminuir a burocracia para o empreendedor.

Também foram destacadas melhorias nos procedimentos para exportação e importação. Para as importações, o relatório mostra que o tempo médio para realizar a operação caiu de 146 horas para 120 horas. No caso das exportações, a redução foi de 42 horas para 18 horas.

Já na área estritamente tributária, a crítica do Bird foi para o tempo gasto para se pagar impostos no país, especialmente no caso do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e das contribuições trabalhistas.
 
O ranking traz a Nova Zelândia como tendo o melhor ambiente de negócio entre os 190 países pesquisados. O país alcançou o primeiro lugar em cinco dos dez indicadores analisados, que incluem facilidade para abertura de um negócio, concessões para construção, registro de propriedade, obtenção de crédito e proteção a menores investidores. Em seguida vieram Cingapura e Dinamarca.

*Texto atualizado em 1/11

IMAGEM: Thinkstock