Negócios

Black Friday gerou 60% a mais de deslocamentos para lojas físicas


O grande destaque ficou para as lojas de departamento, cujo crescimento de deslocamento foi de 116% em 2018 em comparação com 2017, de acordo com o Waze


  Por Estadão Conteúdo 02 de Dezembro de 2019 às 07:30

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O deslocamento de pessoas para lojas físicas durante a Black Friday foi 60% maior do que em outras sextas-feiras comuns de 2018, apontou um levantamento feito pelo aplicativo de navegação Waze.

Para chegar à conclusão, o Waze analisou o comportamento de seus usuários ativos no dia da Black Friday 2018 e comparou com outras sextas-feiras do mesmo ano, pois o último dia útil da semana é o que normalmente já apresenta uma maior movimentação em relação aos outros.

Somente em São Paulo, o número de usuários ativos no ano era de 4,4 milhões; e no Rio de Janeiro, 1 milhão. Na base de dados do Waze, não há distinção entre os consumidores de fato e entregadores ou motoristas de aplicativo.

Mas, segundo explicou a gerente de Desenvolvimento de Vendas para o Brasil, Bianca Waclawek, a categoria que se encaixa como "profissionais" representa menos de menos de 5% da base de usuários. Além disso, o fluxo de navegação para lojas físicas foi 29% maior em 2018, em comparação com o mesmo período de 2017.

O grande destaque ficou para as lojas de departamento, cujo crescimento de deslocamento foi de 116% em 2018 em comparação com 2017. Em segundo lugar, ficaram os supermercados (70%), cujo pico de deslocamento no ano se deu justamente na Black Friday.

Já os shoppings ficaram em terceiro (63%) - a Black Friday é a segunda data que mais carrega clientes para esses centros comerciais, perdendo apenas para o Natal. A tendência é que os consumidores saiam mais de casa para comprar produtos.

Segundo uma pesquisa de tendências para a Black Friday 2019 do Google, esta é a edição em que o número de compradores em lojas físicas deve praticamente se igualar ao online, em uma crescente que vem desde pelo menos 2017.

A mudança de comportamento se dá, especialmente, pelos consumidores omnichannel - que compram online e passam para retirar na loja ou o contrário, que passam na loja para testar um produto e depois compram pela internet.

Entre as razões que levam as pessoas a deixarem de comprar online em 2018, ainda de acordo com o levantamento do Google, foram o valor do frete (48%), segurança (22%), possibilidade de testar e ver o produto (20%) e tempo de espera (18%).