Negócios

Avianca encerra rota de Guarulhos para Miami e Nova York


Com o fim dessas operações em 31 de março, a companhia aérea devolverá duas aeronaves que hoje fazem voos internacionais às empresas de arrendamento


  Por Estadão Conteúdo 17 de Janeiro de 2019 às 19:57

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Em recuperação judicial desde dezembro e com aviões em disputa na Justiça, a Avianca encerrará suas rotas entre Guarulhos e Nova York, Miami e Santiago.

Com o fim dessas operações em 31 de março, a companhia aérea devolverá duas aeronaves que hoje fazem voos internacionais às empresas de arrendamento. Ao todo, já foram entregues 7 aviões. 

Das rotas para o exterior operadas pela empresa -que vinha ampliando sua atuação nesse segmento - restarão apenas duas: Fortaleza e Bogotá e Salvador e Bogotá.

LEIA MAISCresce o número de passageiros transportados

Em sua reestruturação, a Avianca reduzirá sua frota em um terço. Eram 57 aeronaves e restarão apenas 38 ao fim do processo.

Em nota, a companhia afirmou que o fim dos três voos internacionais ocorre para "adequar sua operação à atual demanda de passageiros". A empresa informou que entrará em contato com os passageiros que já compraram passagem para os destinos suspensos.

A companhia aérea reforçou ainda que os demais 26 destinos "estão preservados e que continua operando normalmente, com mais de 240 voos diários". 

LEIA MAIS: Aéreas poderão ter 100% de capital estrangeiro

Com 13,77% do mercado brasileiro e dívidas de quase R$ 500 milhões - sem incluir débitos com arrendatários -, a Avianca vem tendo dificuldades para honrar compromissos desde o segundo semestre do ano passado. 

Com o atraso no pagamento de contratos, os donos de aeronaves entraram na Justiça para retomar os aviões em posse da Avianca e conseguiram decisões favoráveis - que só foram revertidas após o pedido de recuperação judicial ser aceito.

Em dezembro, além da manutenção da frota com a empresa aérea, o juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) preservasse concessões e autorizações aeroportuárias para não que os passageiros não fossem prejudicados. 

O magistrado também definiu que os aeroportos usados pela empresa mantivessem o acesso a toda infraestrutura e serviços.

De acordo com a lista de credores, a conta da Avianca apenas com os aeroportos é de cerca de R$ 100 milhões.