Negócios

Até outubro, vendas do varejo sobem 2,2% em São Paulo


O desempenho do setor nos dez primeiros meses do ano foi prejudicado pelos resultados de setembro e de outubro, que ficaram aquém do esperado, e também pela greve dos caminhoneiros, de acordo com a ACSP


  Por Redação DC 09 de Novembro de 2018 às 09:07

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O movimento de vendas do varejo paulistano cresceu em média 2,2% no período acumulado de janeiro a outubro de 2018 em comparação com o mesmo período de 2017, de acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Na visão do presidente da entidade, Alencar Burti, “o desempenho do setor nos 10 primeiros meses do ano foi prejudicado pelos resultados de setembro e de outubro, que ficaram aquém do esperado, e também pela greve dos caminhoneiros, em maio”.

Em setembro, o balanço registrou queda média de 0,9% nas vendas em decorrência de um efeito-calendário (um dia útil a menos) e da alta do dólar. Já em outubro a incerteza eleitoral e a alta de preços de tarifas públicas levaram o movimento do comércio a crescer apenas 0,4%.

À VISTA X A PRAZO

De janeiro a outubro, as vendas à vista recuaram 2% sobre igual período de 2017. O sistema à vista inclui os ramos de vestuário, calçados e adereços, prejudicados pela temperatura irregular na maior parte dos meses na capital paulista, desestimulando a procura por artigos das modas Primavera-Verão e Outono-Inverno.

Já as comercializações a prazo, que abrangem móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, avançaram 6,3% na mesma base de comparação, puxadas pelos juros mais baixos e prazos mais longos, o que consequentemente barateia o crédito e estimula o consumidor a parcelar bens duráveis e de maior valor.

“De todo modo, com a realização das eleições, a queda do dólar e a melhora da confiança do consumidor, as vendas devem acelerar o ritmo de crescimento”, finaliza Burti.

FOTO: Thinkstock