Negócios

Ânimo dos consumidores para gastar cresce 80% em um ano


Diante desse otimismo, expectativa de aumento real nas vendas do varejo ampliado é de 5,4% nesse primeiro trimestre de 2018, segundo pesquisa Ibevar/Epistemics


  Por Estadão Conteúdo 06 de Fevereiro de 2018 às 14:05

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O ânimo dos consumidores brasileiros cresceu no último ano: em dezembro, a disposição de consumidores para comprar era 80% mais alta do que em igual mês do ano anterior, segundo dados de pesquisa do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar) em parceria com a Epistemics.

O indicador, baseado em manifestações de consumidores na internet, vem subindo desde abril do ano passado e, segundo Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Ibevar, mostra uma tendência positiva pela frente.

LEIA MAIS: Varejo tem primeiro janeiro positivo desde 2014

A captura desse maior otimismo faz o Ibevar estimar um crescimento das vendas do varejo para o primeiro trimestre de 2018. A projeção é de aumento real de 5,4% nas vendas do varejo ampliado nos três primeiros meses do ano em comparação com igual período de 2017.

Embora espere um bom primeiro trimestre para o varejo, Felisoni considera que os resultados do ano ainda podem ser influenciados negativamente pelo fato de 2018 ser um ano de eleições. A avaliação é de que o cenário político incerto tende a afetar o humor dos consumidores.

Essa melhora de ânimo observada até agora, segundo Felisoni, influencia as expectativas para 2018, mas é importante ressaltar que o que vai acontecer depende de como se desenrola o cenário eleitoral.

LEIA MAIS: Com a economia mais estável, comércio volta a crescer

"Tenho a impressão de que o futuro dessa eleição está muito imprevisível", disse. Para ele, a condenação em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode representar um fortalecimento de adversários de centro-direita.

Ao mesmo tempo, ele considera que os projetos de centro ainda enfrentam dificuldades em meio ao discurso dos apoiadores de Lula de que ele foi injustiçado.

Outros elementos do cenário tendem a sustentar um ano ainda bom para o varejo, na avaliação de Felisoni. Ele menciona a redução da inflação e das taxas de juros ao consumidor. Além disso, destaca a recuperação do emprego, que, embora de forma lenta, tem ocorrido gradualmente.

O Ibevar modificou pela primeira vez sua metodologia de estudo da intenção de compra. Há anos a entidade estuda o comportamento dos consumidores, mas vinha baseando seus levantamentos em questionários aplicados na cidade de São Paulo.

Agora, o estudo se baseia em uma análise de elementos dispostos em comentários na internet. O levantamento do Ibevar e Epistemics analisou uma amostra de 632 mil comentários em vídeos postados online de produtos de bens de consumo durável, e estudou as manifestações de intenção de compra.

A pesquisa estudou ainda a disposição de gasto. A quantidade de dinheiro que os consumidores manifestam interesse em gastar cresceu 44,8% em 2017 na comparação com o ano anterior.

Houve um salto nesse indicador a partir de setembro do ano passado, o que pode ter sido motivado pela proximidade da Black Friday, evento que marca um pico de vendas no varejo, sobretudo para bens duráveis.

FOTO: Thinkstock