Negócios

Abertura de lojas volta a ser positiva após 3 anos


Apesar do resultado positivo nos últimos dois meses, a estimativa do economista da CNC é que 2017 termine ainda com saldo negativo


  Por Estadão Conteúdo 29 de Dezembro de 2017 às 07:30

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Depois de 34 meses, a abertura de lojas no comércio voltou a ser positiva em outubro.

Isso significa que, pela primeira vez, desde dezembro de 2014, os varejistas abriram mais lojas do que fecharam ao longo do mês - um reflexo direto da retomada das vendas a partir de agosto.

Como abrir lojas envolve investimentos e contratações, o dado está sendo considerado pelo setor como um indicativo de que a recuperação do varejo veio para ficar e deve ser um dos motores de crescimento da economia no ano que vem.

Em outubro, entre abertura e fechamento de pontos de venda, o saldo ficou positivo em 1.202 lojas, aponta estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) a partir dos dados das varejistas informantes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Foi o primeiro resultado mensal positivo desde dezembro de 2014, antes da crise. No mesmo mês do ano passado, o comércio mais fechou do que abriu lojas. O saldo ficou negativo em 6.809 pontos de venda.

O pior momento para o varejo foi na virada de 2015 para 2016, quando o saldo líquido de novas lojas ficou negativo na casa de 10 mil pontos de venda por mês, diz o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes. "Fechar lojas da forma como o varejo fechou nos últimos anos é realmente jogar a toalha", afirma.

Segundo ele, dos termômetros do comércio, o saldo de abertura de novas lojas talvez seja o mais importante, porque as vendas sobem e descem em função de datas comemorativas e de variáveis macroeconômicas, mas o varejista se adapta.

Agora, a decisão de abrir e fechar uma loja é uma sinalização de longo prazo. "Olhando os dados de janeiro a outubro, vemos claramente que o comércio varejista foi deixando a crise para trás."

Neste Natal, por exemplo, as vendas tiveram seu maior crescimento desde 2010, revertendo três anos consecutivos de retração, segundo o SPC Brasil. O avanço já vinha sendo registrado ao longo do ano.

As vendas do varejo ampliado, que inclui materiais de construção e veículos, tiveram a primeira reação em três anos, no acumulado de janeiro a outubro, com alta de 3,2%, em relação ao mesmo período de 2016. O economista diz que não esperava uma reação simultânea de crescimento de venda e de abertura de lojas, como ocorreu.

Ele atribui esse movimento a quatro fatores: desaceleração da inflação, que ocorre desde o primeiro semestre; redução histórica da taxa básica de juros, hoje em 7% ao ano; liberação de recursos extraordinários, como os das contas inativas do FGTS e os do PIS/Pasep; e reação do emprego.

?Despiora?. Apesar da reação registrada em outubro, no acumulado do ano, o varejo mais fechou do que abriu lojas. O saldo foi negativo em 17.306 pontos comerciais. Entre janeiro e outubro do ano passado, esse resultado estava negativo em 82.118. "O número de lojas fechadas caiu muito, houve uma "despiora", observa.

A estimativa do economista da CNC é que 2017 termine ainda com saldo negativo. Nas suas projeções, os dois últimos meses do ano não serão suficientes para reverter o acumulado até agora.

Ele ressalta que houve um movimento generalizado de novos negócios, em todos os segmentos, apesar de a maioria dos saldos continuar negativa. Um ponto que chama a atenção é que, dos dez ramos do comércio varejista, só o de farmácias e perfumarias teve saldo positivo acumulado até outubro, de 303 lojas. A difusão da melhora do comércio também é observada em todas as regiões do País.

A centenária Pernambucanas, por exemplo, inaugurou no início de dezembro sua primeira unidade em Juiz de Fora (MG), na mesma semana, a rede de supermercados Hirota abriu uma nova unidade do modelo express em São Paulo.

O grupo MGB, dono das bandeiras Mambo, inaugurou em meados deste mês uma loja de atacarejo do Giga e vai inaugurar mais 13 pontos de venda no ano que vem (leia mais abaixo).

A perspectiva é que o saldo de novas lojas volte ao azul no ano que vem. "Em períodos eleitorais há um movimento pró-consumo", diz Bentes, que prevê alta de 4,5% a 5% nas vendas do varejo ampliado.

FOTO: Thinkstock