Negócios

A Tal da Castanha, a marca que fez a 3Corações apostar em leite


A partir de joint venture com uma das principais marcas brasileiras de café, a empresa de bebidas de origem vegetal dobrou a penetração em pontos de venda e triplicou a participação do e-commerce em 2020


  Por Mariana Missiaggia 09 de Dezembro de 2020 às 07:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


O ano começou cheio de novidades para A Tal da Castanha. Além do lançamento de novas marcas e produtos, 2020 começou com uma joint venture com a 3Corações e, a partir daí, foi criada uma enorme expectativa de crescimento rápido e aumento do número de pontos de venda.

Ao contrário de outros mercados, isso não mudou com a pandemia. Rodrigo Carvalho, sócio da A Tal da Castanha, conta que a empresa dobrou a penetração em pontos de venda e aumentou a participação do e-commerce no negócio – o faturamento do canal passou de 3% para 12% durante a pandemia.

São muitas as razões que embalam esse mercado. O crescimento da população vegana, maior diversificação da indústria alimentícia, alergias e intolerância ao leite de vaca, substituições consideradas mais saudáveis e mudanças no estilo de vida.

Desde que a procura por bebidas de origem vegetal se intensificou entre os brasileiros, o produto ganhou destaque nas gôndolas dos supermercados. Dados do Forbes e da Persistence Market Research indicam que o consumo de alternativas à base de vegetais deve crescer 108% até 2023.

Diferente do mercado norte-americano, já bem avançado nesse tipo de consumo, até pouco tempo as opções dos consumidores brasileiros se resumiam, basicamente, a preparações caseiras à base de castanhas, aveia ou coco. Nos supermercados, as alternativas ao leite de vaca se resumiam, em maioria, ao leite de soja.

Nos últimos anos, a oferta de leites vegetais comercializados em embalagens cartonadas fez com que os consumidores passassem a conhecer melhor as opções. Com a A Tal da Castanha, depois de cinco anos, o portfólio aumentou. Além dos sabores originais, foram lançadas opções, como mixed nuts e choconuts.

O aumento no número de opções melhorou também a aceitação das bebidas no mercado brasileiro, em especial para aquelas que foram criadas com o intuito de substituir o leite animal no tradicional café com leite, tanto em sabor quanto em textura.

A possibilidade chamou a atenção da 3Corações, que uniu sua operação à da A Tal da Castanha em formato de joint venture. A parceria foi marcada pelo lançamento de um novo rótulo – o Barista, desenvolvido para ser agregado ao café mantendo sabor a cremosidade do tradicional café com leite.

A bebida possui apenas cinco ingredientes – água, aveia, amêndoas de castanha de caju, sal marinho e aroma natural – e consegue gerar a espuma densa e cremosa, típica da mistura.

A marca, com esse novo lançamento, entra de forma relevante no setor de food service através de uma distribuição focada em bares, restaurantes, hotéis e cafés.

Se para a 3Corações a novidade é uma forma de alcançar novos públicos, para a A Tal da Castanha, a parceria potencializa a estrutura, força de vendas e capacidade de distribuição dos produtos, já que o grupo 3Corações possui 28 centros de distribuição, alcançando mais de 400 mil pontos de venda em todo o país.

E é exatamente nesses pontos de venda que a marca pode avançar. O maior desafio da categoria ainda está nas próprias redes de supermercados, por não explorarem profundamente o segmento.

Na maioria das vezes, os produtos ficam restritos a seção de saudáveis, enquanto poderiam ter dupla exposição e figurar também na área de leite.

Enquanto isso não acontece, as redes sociais servem como amuleto de sorte da marca. Carvalho diz que as redes sociais são um dos principais fatores para se ampliar as vendas on-line, quando aliada a um bom recall de marca, uma boa loja on-line e logística, e também anúncios digitais.

DE PAI PRA FILHO

O envolvimento de Carvalho com os produtos de origem vegetal vem de berço. Há 20 anos, seu pai, Antônio José Carvalho comprou uma pequena indústria de castanhas-de-caju no Ceará, que deu origem à empresa Amêndoas do Brasil.

Com distribuição nacional e outros 20 países, a marca é responsável desde a seleção da matéria-prima até a aprovação final dos produtos. Acompanhado por um dos filhos nos negócios, a empresa passou por um processo de inovação da marca a fim de inseri-la no varejo.

A partir da mesma matéria-prima e do tino comercial do patriarca, em 2014, a família criou uma nova unidade de negócios usando as castanhas da indústria do pai, a marca A Tal da Castanha. A ideia era se dirigir ao consumidor final e apostar na tendência da alimentação saudável.

Como parte do projeto de modernização da empresa, a marca mantém destaque no ambiente digital aumentando, especialmente, a participação do e-commerce no negócio. Em 2019, a empresa alcançou uma receita de R$ 29 milhões. Em 2021, a meta é ainda mais ambiciosa: faturar R$ 75 milhões - um acréscimo de 120%.

 

IMAGEM: 






Publicidade





Publicidade







Publicidade