Leis e Tributos

Relatório da reforma tributária prevê IVA dual


O senador Roberto Rocha apresentou seu relatório sobre a reforma e afirmou que texto não abre espaço para aumento, nem redução da carga tributária


  Por Estadão Conteúdo 06 de Outubro de 2021 às 07:30

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) entregou, na tarde de terça-feira (5), o relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110, uma das medidas de reforma tributária em tramitação no Congresso. Esta é a terceira versão do parecer desde que a PEC foi protocolada, em 2019.

O relator confirmou que o parecer prevê a criação de um Imposto sobre Valor Adicionado (IVA) dual, em que uma parte vai unificar impostos federais, abrindo caminho para a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), e outra abarcará ICMS, cobrado por Estados, e o ISS, arrecadado por municípios, criando o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).

LEIA MAIS: IVA Dual pode ser caminho para a reforma tributária

Rocha garantiu que o parecer apresentado por ele não implica em aumento da carga tributária no País. "Não, até porque tem uma trava na Constituição. Você tem que partir de uma reforma tributária onde não haja diminuição da carga tributária, até porque ninguém abre mão de receita, mas também não pode aumentar carga tributária, porque ninguém aguenta mais", afirmou o fdeputado.

O relator aumentou o período de transição em relação à proposta original. De acordo com o parecer, serão sete anos para implementação do IVA dual, com dois anos de teste e mais cinco de mudança gradual, e 20 anos para a distribuição federativa da receita com mudança da cobrança da origem para o destino. A versão anterior previa cinco e 15 anos, respectivamente.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Roberto Ziulkoski, afirmou que a instituição apoia o relatório, mas destacou que os prefeitos buscarão alterações, como uma melhor distribuição entre os recursos arrecadados.

O secretário de Fazenda do Piauí e presidente do Comsefaz, Rafael Fonteles, que reúne os secretários estaduais de fazenda, também manifestou apoio aos "principais pontos" do texto.

Roberto Rocha destacou que buscará convencer que as mudanças gerais vão acabar resultando em aumento de arrecadação com um melhor sistema de cobrança, que será eletrônico.


IMAGEM: Jefferson Rudy/Agência Senado






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade