Leis e Tributos

Rachid: número de obrigações acessórias cairá pela metade


Segundo o secretário da Receita Federal, tecnologias como a do e-Social permitirão reduzir o tempo que as empresas gastam com os deveres fiscais, de 474 horas para 240 horas


  Por Estadão Conteúdo 20 de Dezembro de 2018 às 15:27

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A entrada em vigor de novas tecnologias para que as empresas lidem com suas obrigações tributárias deve derrubar o prazo gasto com pagamentos de impostos, preenchimentos de guias e outras burocracias.

Nesta quinta-feira,20/12, Jorge Rachid, secretário da Receita Federal, apresentou um balanço das principais ações de 2018, entre elas a simplificação das obrigações acessórias que os contribuintes têm que entregar à Receita Federal.

No último relatório Doing Business, o Banco Mundial apontou que as empresas brasileiras gastam 1.958 horas por ano com as obrigações tributárias.

Com a entrada da escrituração digital e do eSocial, tecnologias que informatizaram as declarações e reduziram o número de informações que as empresas têm que prestar, a expectativa é que esse número caia para 622 horas.

LEIA MAIS: Alerta: abrir uma empresa pode ficar mais complicado

A Receita apresentou uma pesquisa com metodologia diferente, feita pela Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), que concluiu que atualmente as empresas gastam 474 horas, número que cairá para 240 horas com a implementação total das novas tecnologias, segundo Rachid.

"A ideia em 2019 é avançar 20 posições no ranking do Doing Business. Estamos hoje em 109ª e já avançamos 16 posições", afirmou.

LEIA MAIS: Lei da desburocratização não beneficia empreendedor

Pelo cronograma da Receita, até outubro do ano que vem todas as empresas privadas estarão utilizando o eSocial, que começará a ser utilizado pelo setor público em 2020.

Rachid destacou também a redução de prazos para a abertura de empresas em todo País, que já chegou a seis meses e hoje é de três a sete dias.

O secretário também lembrou a redução de 14 para 6,4 dias o prazo para desembaraço de mercadorias na exportação.

PIS/COFINS

Prestes a deixar o cargo, Rachid afirmou que este governo poderia ter avançado na simplificação da legislação do PIS/Cofins, que vem sendo discutida desde o governo Dilma Rousseff, mas não chegou a ser enviada ao Congresso Nacional.

"Deveríamos ter avançado mais na melhoria da legislação do PIS/Cofins, mas não tivemos ambiente legislativo próprio para isso", afirmou.

Rachid evitou avaliar as propostas de reforma tributária feitas pela equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), mas disse acreditar mais em simplificações do que em uma grande reforma.

"Podemos avançar na melhoria do sistema tributário com normas infraconstitucionais, como é o caso das mudanças do PIS/Cofins", completou.

Auditor fiscal de carreira, Rachid disse que continuará no órgão no próximo governo. "Eu tenho que fazer minhas contas, mas fico na Receita", afirmou.

 

IMAGEM: Marcelo Camargo/Agência Brasil