Leis e Tributos

Ministério Público abre ação de R$ 2 milhões contra Droga Raia


Rede de farmácias é acusada de realizar revista íntima em seus funcionários, atitude proibida pelo regime CLT. A empresa nega a prática


  Por Estadão Conteúdo 11 de Novembro de 2017 às 07:43

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Ministério Público do Trabalho (MPT) de São Bernardo do Campo protocolou na Justiça uma ação contra a Droga Raia Drogasil no valor de R$ 2 milhões.

A rede de farmácias é acusada de realizar revista íntima em seus funcionários, atitude proibida pelo regime CLT. A intenção é combater o roubo de medicamentos.

A investigação do caso começou em 2016 após denúncias anônimas. De acordo com nota enviada pelo MPT, a empresa assumiu fazer revista diária de bolsas e mochilas dos funcionários sempre ao final do expediente.

A procuradora do Trabalho Sofia Vilela, responsável pelo caso, aponta que esse tipo de ação viola os direitos à intimidade e à vida privada dos trabalhadores.

Em audiência realizada em maio deste ano, foi proposto um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), quando a empresa pediu prazo de 45 dias para apresentar sua proposta de acordo sem a necessidade de assinatura do documento.

Após o fim do período, a companhia afirmou que implementaria um procedimento que inclui manutenção dos pertences dos funcionários em armários trancados, com a gerência assumindo responsabilidade por deixar os objetos em sacolas lacradas.

Assim, não seria necessária a revista pessoal. Essa nova medida teria prazo de 90 dias para testes e apresentação perante o MPT.

Ainda de acordo com o órgão, a empresa não cumpriu o prazo, foi notificada novamente para entrega do cronograma e afirmou que era inviável cumprir o acordo.

LEIA MAIS: MOfficer pode ser proibida de vender em São Paulo

Dessa forma, as revistas foram mantidas entre os 30 mil funcionários espalhados pelo Brasil, resultando no pedido de pagamento por dano moral coletivo causado à sociedade fixado em R$ 2 milhões.

"A ré considera que a prática de revista íntima nos pertences de seus empregados configura conduta aceitável, justa e de acordo com os preceitos legais. Nota-se um descaso da empregadora com a dignidade de seus empregados, bem como com a sua obrigação legal e moral de preservar a intimidade daqueles que são sua força de trabalho", explica a procuradora do Trabalho Sofia Vilela.

"Veja-se que a empresa não observa, sequer, o que impõe o princípio da presunção da inocência, pois a revista íntima pressupõe a desconfiança do empregador perante seus subordinados, maculando a confiabilidade que deve imperar na relação de emprego, obrigando os empregados a comprovarem sua inocência ao fim de cada dia de trabalho. Tal comportamento não encontra lastro no poder de direção do empregador, por privilegiar o abuso do direito de propriedade em detrimento de diversos valores constitucionais, tais como a dignidade da pessoa humana do trabalhador, seus direitos de personalidade, o princípio da presunção da inocência, as garantias dos acusados e o monopólio estatal da segurança", finaliza .

A empresa também deverá pagar multa de pelo menos R$ 20 mil por obrigação descumprida, por dia de descumprimento e por empregado a ele submetido, multa esta reversível a instituições, entidades ou programas/projetos públicos ou privados de fins não lucrativos, ou sucessivamente ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

VERSÃO DA EMPRESA

Procurada, a empresa afirmou que não realiza revista íntima em seus funcionários em nenhuma das lojas. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Droga Raia Drogasil informa que "preza pelas relações de respeito e confiança, repudiando qualquer prática que possa representar abuso ou ofensa à dignidade de seus colaboradores".

Segundo a nota, a questão está sendo discutida em processo judicial e não existe ainda decisão sobre o caso.