Leis e Tributos

Meirelles diz ser possível reduzir 70% do tempo gasto para pagar impostos


Hoje, segundo dado de estudo mencionado pelo ministro, uma empresa brasileira gasta em média 2,6 mil horas para acertar as contas com o fisco


  Por Estadão Conteúdo 23 de Fevereiro de 2018 às 18:00

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O ministro Henrique Meirelles, da Fazenda, afirmou nesta sexta-feira (23/02), em palestra para empresários na capital cearense, que a meta do governo federal é reduzir em 70% o tempo que uma empresa gasta para pagar impostos no Brasil.

Segundo ele, estudo de uma instituição internacional mostra que uma empresa brasileira gasta hoje, em média, 2,6 mil horas para pagar impostos. "O problema no Brasil não é só a alta carga de impostos, é a dificuldade de pagar impostos", afirmou.

LEIA MAIS: Como reduzir a burocracia nos livros contábeis

Para ele, o tempo de 2,6 mil horas gastas por uma companhia é "absolutamente inviável". "Nossa meta é cortar esse tempo em 70%", afirmou no evento, que é promovido pelo Lide Ceará.

Segundo o ministro, essa redução deve ser aprovada junto com a reforma tributária a ser votada pelo Congresso Nacional, chamada por ele de "simplificação tributária".

Na palestra, Meirelles fez uma revisão de sua gestão no Ministério da Fazenda. Ele afirmou que, "com muito trabalho", conseguiu reverter a maior recessão da história do Brasil que ocorreu nos últimos anos. "Tínhamos situação fiscal em processo de piora constante. Conseguimos reverter com muito trabalho", afirmou, citando reformas aprovadas pelo governo, como o teto de gastos públicos e mudanças na legislação trabalhista.

O ministro apresentou números do PIB, de consumo de bens duráveis, inflação, investimentos, emprego e massa salarial real (descontada a inflação).

LEIA MAIS: Como os impostos emperram o Brasil

Segundo ele, as taxas de crescimento aumentam com as reformas. Ele reforçou que a meta do governo é gerar este ano 2,5 milhões de novos empregos formais no País. "Isso mostra não só que haverá mais emprego e renda, como mais consumo", disse.

Meirelles citou ainda a agenda de 15 projetos anunciada nesta semana pelo governo como "pauta prioritária" para compensar a não aprovação da reforma da Previdência. Ele ressaltou em especial a criação do cadastro positivo e a duplicata eletrônica, que, segundo ele, vai baixar o custo de crédito para pequenas e médias empresas.

IMAGEM: José Cruz/Agência Brasil