Leis e Tributos

Mediação e arbitragem mais fáceis para o atacado da construção


Parceria entre a CBMAE, da ACSP, e o Sincomaco, oferecerá serviços de resolução de conflitos de forma mais rápida e com custos menores para empresas vinculadas ao sindicato


  Por Karina Lignelli 20 de Agosto de 2020 às 17:50

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Empresas de todos os setores sofreram com os impactos da pandemia, que além de afetar o faturamento, acabou gerando conflitos com fornecedores, clientes e empregados. 

Para ajudar os empresários a resolver litígios do tipo, a Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial (CBMAE), ligada à Associação Comercial de São Paulo (ACSP), acaba de fechar parceria com o Sindicato do Comércio Atacadista, Importador, Exportador e Distribuidor de Material de Construção e de Material Elétrico no Estado de São Paulo (Sincomaco).  

Por meio dessa cooperação, todas as empresas de diversos segmentos da construção civil vinculadas ao sindicato poderão ter acesso a serviços de mediação e resolução de conflitos sem necessidade de judicialização. Os serviços, hoje, são totalmente on-line, segundo Guilherme Giussani, coordenador da CBMAE. 

O objetivo dessa parceria é dar uma resposta rápida a diversos tipos de conflitos, com a vantagem do sigilo. "Não dá mais para recorrer ao Judiciário devido aos custos e à morosidade. O serviço de mediação e arbitragem preserva a imagem da empresa e dos seus parceiros comerciais", afirma.

Especialista no mercado da construção há 40 anos, o presidente do Sincomaco, Cláudio Conz, também diretor da ACSP, diz acompanhar a evolução do serviço e afirma que, baseado nessa experiência, será possível atender às demandas dessas empresas, cujo principal público são os pequenos negócios.  

Mesmo sem clara identificação dessas demandas, já que a parceria está começando agora, segundo Conz, essa união deve trazer resoluções mais ágeis aos problemas do setor. "E essa aproximação institucional importante com a ACSP oferecerá um serviço de excelência a todas as empresas vinculadas ao Sincomaco", destaca. 

Ainda sem números fechados, Giussani afirma que, com a pandemia, houve um aumento significativo na procura pelos serviços de mediação e arbitragem por pequenas e médias empresas, que têm uma maturação de 30 a 40 dias desde sua entrada até chegar à efetiva audiência de conciliação.  

Mas o atendimento on-line agilizou ainda mais os procedimentos, melhorando a excelência dos serviços, afirma. "Agora, traremos árbitros e mediadores que conheçam o setor da construção para resolver conflitos específicos e, com essa parceria, alcançarmos o mesmo índice de solução de conflitos", sinaliza. 

Em 2019, a CBMAE realizou 380 mediações, sendo que 92% terminaram em acordos entre as partes litigantes. Em julho último, suas atribuições como Câmara Privada de resolução de conflitos empresariais extrajudiciais foram renovadas pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) até junho de 2022. 

FOTO: Reprodução do site