Leis e Tributos

Fundador e sócio da rede Pague Menos é preso em Fortaleza


STJ determinou que Deusmar de Queirós, condenado em segunda instância, começe a cumprir pena de 9 anos e 2 meses por crimes contra o sistema financeiro nacional


  Por Estadão Conteúdo 09 de Setembro de 2018 às 19:09

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O empresário Francisco Deusmar de Queirós, sócio e fundador da rede de farmácias cearense Pague Menos, uma das maiores do País, foi preso na noite de sábado (8/09), em Fortaleza, por crime contra o sistema financeiro.
 
A ordem de prisão contra Queirós, que se apresentou à Polícia Federal em Fortaleza na noite deste sábado (8/09), partiu da 12ª Vara da Justiça Federal do Ceará e foi tomada cumprindo a determinação do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

O fato de ser condenado em segunda instância, por crimes contra o sistema financeiro nacional, foi apontado pelo ministro do STJ como justificativa para o início do cumprimento da pena de 9 anos e 2 meses por crimes contra o sistema financeiro nacional.
 
A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, como o ministro destacou, permite a antecipação da execução da pena. A condenação, além da pena, prevê multa de multa de 2.500 salários mínimos.

"O objeto do processo que gerou a apresentação se refere à sua atuação à frente da Renda Corretora de Valores entre 2000 e 2006. A ação ainda está em curso e a condenação não é definitiva.  A defesa continua acreditando na Justiça e na sua absolvição", disse, em nota divulgada neste domingo (9/09), o escritório Rocha, Marinho e Sales Advogados e Marcelo Leal Advogados Associados. 

Atualmente em fase de expansão para o Sudeste, a rede cearense tem 168 unidades e faturou R$ 6,3 bilhões no ano passado. A previsão é encerrar este ano com 1,2 mil lojas e vendas de R$ 7 bilhões.
 
Com esse porte, a companhia tem uma atuação equivalente à cerca da metade da Raia Drogasil, líder do setor e presente em 22 Estados.

A rede Pague Menos chegou a cogitar uma abertura de capital em 2012, mas acabou desistindo do projeto de chegar à Bolsa paulista em 2013.
 
Dois anos mais tarde, o fundo de private equity (que compra participações em empresas) General Atlantic comprou 17% do capital da companhia, em uma operação de R$ 600 milhões. A empresa ainda tem intenção de chegar à B3, mas somente a partir de 2020.

Diante da prisão de seu fundador, a Pague Menos nomeou o atual diretor-presidente, Mário Henrique Alves de Queirós, para o cargo de presidente do conselho de administração, que ainda era exercido por Deusmar Queirós.

"O processo judicial ao qual o fundador da companhia, Deusmar Queirós, responde não possui qualquer relação com a rede. Todas as informações sobre o processo foram prestadas de maneira transparente pela Pague Menos em seus formulários de referência", disse a companhia, em nota.