Leis e Tributos

Estabelecimentos do país vendem hoje produtos sem impostos


A ação faz parte do Dia da Liberdade de Impostos, realizado para conscientizar a população sobre o peso dos tributos no dia a dia


  Por Agência Brasil 24 de Maio de 2018 às 14:46

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Lojas de shoppings de 16 estados, mais o Distrito Federal, aderiram ao Dia da Liberdade de Impostos, realizado nesta quinta-feira, 24/05.

Organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem (CDL Jovem), a ação tem como objetivo despertar a atenção da população quanto ao peso que os tributos têm em compras comuns do dia a dia e estimulá-la a verificar se os encargos pagos estão se convertendo, de fato, em serviços públicos de qualidade.

De acordo com o Impostômetro, painel desenvolvida pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a quantia arrecadada com tributos, em todo o país, já ultrapassa os R$ 941 bilhões.

LEIA MAIS: Os pontos cegos das propostas de reforma tributária

No site da associação é possível consultar os valores acumulados por cada governo estadual e, ainda, uma lista que enumera as porcentagens médias de imposto que incidem sobre itens básicos.

Pela tabela, descobre-se, por exemplo, que quase metade (45,31%) do valor final dos óculos de grau equivale a tributos embutidos e que, ao comprar um chuveiro elétrico, o cliente está pagando 48,23% somente de impostos.

QUEM ADERIU

No Estado de São Paulo, os shoppings Tatuapé, o Itaquaquecetuba e o Bragança Paulista aderiram ao Dia da Liberdade de Impostos.

Em Brasília, mais de 100 lojas de quatro shoppings do Distrito Federal estão ofertando produtos com descontos de 15% a 70%, durante toda esta quinta-feira.

Além dos shoppings, postos de combustíveis participam da ação no país.

Neste ano, a campanha ampliou sua abrangência, passando a contar com a adesão de um maior número de lojistas e também de unidades federativas, já que, em 2017, apenas 11 estados e o DF articularam ações para marcar a data, que agora também é lembrada em Goiás, na Paraíba, no Rio Grande do Norte, em Roraima e São Paulo.

Na perspectiva da CDL, um dos meios de se reduzir os impostos que incidem sobre os produtos seria simplificar sua fórmula, criando uma taxa única para todo o país. O argumento é que isso permitiria que os brasileiros avaliar mais facilmente quanto do valor desembolsado por eles em cada compra corresponde a impostos.

"A gente paga muito imposto e nada disso volta para a sociedade. O que afeta os empresários é a burocracia na arrecadação. Hoje você tem imposto desde a matéria-prima até o produto vendido, diferentemente dos Estados Unidos, onde o imposto é cobrado apenas uma vez. Lá não há imposto em cascata", diz o coordenador nacional da CDL Jovem, Lucas Pitta.

 

IMAGEM: Marcelo Camargo/Agência Brasil