Leis e Tributos

Documentos digitalizados terão mesmo valor legal de seus originais


As regras constam do Decreto 10.278/2020, publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 19/03


  Por Redação DC 19 de Março de 2020 às 13:19

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O governo federal publicou nesta quinta-feira, 19/03, decreto que garante aos documentos digitalizados os mesmos efeitos legais e valor dos originais.

São medidas que buscam a simplificação e que abrangem documentos de pessoas jurídicas e físicas.

O Decreto 10.278/2020, publicado no Diário Oficial da União (DOU), estabelece técnicas e requisitos para a digitalização de documentos públicos ou privados.

Para casos envolvendo entidades públicas, os documentos digitalizados, para ter igual valor de seus originais, precisam ser submetidos à certificação digital no padrão de Chave Pública Brasileira (ICP-Brasil).

Já no caso de envolver relações particulares, qualquer meio de comprovação da autoria, da integridade e, se necessário, da confidencialidade de documentos digitalizados será válido, desde que escolhido de comum acordo pelas partes ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento.

Com relação a preservação dos documentos digitalizados, aqueles sem valor histórico serão preservados, no mínimo, até o transcurso dos prazos de prescrição ou decadência dos direitos a que se referem.

Se entes públicos estiverem envolvidos, as pessoas jurídicas de direito público interno observarão o disposto na Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991, e nas tabelas de temporalidade e destinação de documentos aprovadas pelas instituições arquivísticas públicas, no âmbito de suas competências, observadas as diretrizes do Conselho Nacional de Arquivos (Conarq) quanto à temporalidade de guarda, à destinação e à preservação de documentos.

VEJA A ÍNTEGRA DO DECRETO

 

IMAGEM: Pixabay