Leis e Tributos

Bitcoins x capital social: os dois lados da moeda


Ministério da Economia acaba de autorizar integralização de capital social por criptomoedas, já consideradas como ativo financeiro pela Receita Federal. Mas sua volatilidade é um dos pontos de atenção


  Por Karina Lignelli 21 de Dezembro de 2020 às 07:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Após alguns imbróglios envolvendo criptomoedas num passado recente, que levaram a uma supervisão mais rígida desse mercado - em especial nos Estados Unidos -, o bitcoin fecha 2020 em um outro cenário.

Ao longo do ano, valorizou 170%, puxado pela demanda de investidores agressivos atraídos pela perspectiva de ganhos rápidos. Na última quarta-feira (16/12), superou a marca de US$ 20 mil, a maior de sua história. 

Por aqui, uma instrução do Ministério da Economia (Ofício Circular SEI nº 4081/2020), passou a autorizar, desde 1º de dezembro, que as juntas comerciais aceitem a integralização do capital social de uma empresa através de criptoativos, como os bitcoins. Mesmo que eles tenham um alto índice de volatilidade.  

LEIA MAIS:  Bitcoin pode ser ativo financeiro de fundos de investimentos? 

A apresentação de ativos, como dinheiro, veículos, ações e demais bens suscetíveis de avaliação econômica, como as criptomoedas, a partir de agora, podem ser usados para abertura e registro de qualquer empreendimento no país, diz Renan Luiz da Silva, administrador do Escritório Regional da Jucesp na Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Segundo o ofício, não há procedimentos especiais para registrar atos societários que envolvam criptomoedas, e que "devem ser respeitadas as mesmas regras aplicáveis à integralização de capital com bens móveis. "

Porém, a medida gerou questionamentos sobre sua natureza jurídica, já que o capital social serve de referência para limitar a responsabilidade das cotas subscritas e integralizadas pelos sócios.  

"A integralização tem gerado reflexões sobre o principal ponto, que é a forma como elas são voláteis, pois no decorrer do tempo pode gerar algum tipo de conflito entre sócios e terceiros", destaca Silva.  

LEIA MAIS:  O varejo na era dos drones e bitcoins

Silva lembra que o Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (Drei) e a Receita Federal já reconhecem criptomoedas como ativos financeiros, assim como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) já as considera como tal. Mas o tema ainda precisa de consolidação maior sobre seu entendimento.  

Por ser uma questão delicada, a Jucesp tem orientado os procedimentos, e quem deve definir a questão é a própria sociedade de empresários, dentro do planejamento tributário, jurídico e da organização societária.  

"Já vimos casos de investidores que venderam as criptomoedas e usaram o valor obtido para integralizar o capital", afirma. "Essa é uma orientação que eu daria, mas também já existe previsão legal do Drei que autoriza não a vender, mas a transformar o valor da criptomoeda em ativo", afirma o administrador da Jucesp. 

'FICÇÕES FINANCEIRAS'   

Apesar da polêmica jurídica e das questões em aberto, Renan Silva acredita que a novidade autorizada pelo Ministério da Economia acompanha a evolução digital que o mercado está vivenciando. 

"O que estamos fazendo é validar se o que empresas e empresários desejam pode ser realizado perante à lei e se está de acordo com a legislação atual, incluindo apontamentos ou alterações se for preciso." 

Mas há quem avalie que o uso das criptomoedas pode resultar em vantagens para os negócios, como a advogada Mariana Germano Gontijo, da Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink Sociedade de Advogados. 

“Traz mais benefícios do que malefícios, pois convalida mais uma forma de contribuição para o capital das empresas. Principalmente para as de menor porte - tendo em vista que estes ativos geralmente são detidos por pessoas físicas -, que são os veículos para aumento do emprego e da renda do país”, destaca.  

LEIA MAIS:  A incrível saga de brasileiros que produzem bitcoins no Paraguai

Por outro lado, Mariana alerta para os riscos, uma vez que as moedas virtuais costumam ser usadas com intuito fraudulento. “Um sócio mal-intencionado poderia integralizá-las com valor em dinheiro declarado muito maior que seu valor real. Ou, em caso extremo, não ser o legítimo proprietário que declara ser." 

Um ativo oculto e sem lastro no mundo real. Para o advogado especialista em Direito Empresarial e Licitações Públicas Marcelo Piotto, da Piotto Sociedade de Advogados, criptoativos são recursos ou investimentos que circulam à margem do sistema bancário e regulatório atual.

Por isso, não recomendaria sua integralização ao capital social de uma empresa em razão da volatilidade desse ativo. Mesmo que tenha sido autorizada sua declaração, via IR, à Receita Federal, que vai reconhecer e tributar também as criptomoedas por ser natureza do Estado, explica. 

"Ficções financeiras, como bitcoins e similares, fogem ao controle das autoridades financeiras mundiais", diz. 

O especialista lembra eventos recentes, de corretoras que investiram dinheiro de clientes em bitcoins. "Qual o destino delas? As páginas dos principais portais, que denunciaram golpes nos investidores", alerta.  

FOTO: Pixabay





Publicidade





Publicidade









Publicidade