Leis e Tributos

Arrecadação federal soma R$ 178,7 bi em outubro, recorde para o mês


A Receita destaca a entrada extraordinária de R$ 5 bilhões com o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)


  Por Estadão Conteúdo 24 de Novembro de 2021 às 10:17

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A arrecadação de impostos e contribuições federais voltou a bater recorde e somou R$ 178,742 bilhões em outubro. O resultado representa um aumento real (descontada a inflação) de 4,92% na comparação com o mesmo mês de 2020. Em relação a setembro deste ano, houve alta real de 18,40% no recolhimento de impostos.

Mais uma vez, o valor arrecadado no mês passado foi o maior para meses de outubro da série histórica, que teve início em 1995. A Receita Federal destacou a arrecadação extraordinária em outubro de R$ 5 bilhões com o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Em relação ao mesmo mês do ano passado, o recolhimento dos dois tributos teve crescimento real de 34,8%. O resultado de outubro também foi impactado pelo recolhimento de parcelas diferidas do Simples Nacional.

No acumulado do ano até outubro, a arrecadação federal somou R$ 1,527 trilhão, também o maior volume para o período da série iniciada em 1995. O montante ainda representa um avanço real de 20,06% na comparação com os primeiros dez meses do ano passado.

DESONERAÇÕES

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 76,682 bilhões nos primeiros dez meses deste ano, valor menor do que em igual período do ano passado, quando ficou em R$ 83,754 bilhões.

Apenas no mês de outubro, as desonerações totalizaram R$ 7,560 bilhões, também abaixo do registrado no mesmo mês de 2020 (R$ 9,108 bilhões).

 

IMAGEM: Thinkstock






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade