Inovação

Vou de táxi: varejo se une a aplicativos de mobilidade


Natura e Saraiva estão pegando carona com a 99 para vender produtos e favorecer o uso de multicanais


  Por Thais Ferreira 23 de Outubro de 2017 às 08:00

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


Em breve, você estará dentro de um carro da 99 Pop e a motorista poderá te oferecer batons, cremes e shampoos.

Pelo menos, essa é a ideia da parceria entre a Natura, empresa de cosméticos e produtos de higiene, e a 99, startup que desenvolveu um aplicativo de táxi e carona.

Enquanto os consumidores se locomovem pela cidade, poderão realizar compras sem sair do carro.

De acordo com Paulo Padovani, gerente de inovação comercial da Natura, três pontos motivaram essa parceria: incentivar o empreendedorismo feminino, aumentar o número de motoristas mulheres e levar conveniência para os consumidores. 

Display da Natura dentro do carro.
Foto: Divulgação

O projeto ainda está em fase inicial. Nesse primeiro momento, 20 motoristas, todas mulheres, receberam treinamento para se tornarem também revendedoras. Os principais focos do curso são a segurança na direção e o conhecimento da linha de produtos.

A Natura irá fornecer um display em que ficarão amostras e catálogos. A motorista também poderá ter alguns produtos a pronta-entrega.

“Para os produtos encomendados pelo catálogo, fica a critério da motorista. “Ela pode marcar um encontro com a cliente para efetuar as entregas ou a compra pode ser efetuada pelo e-commerce”, afirma Padovani.  

Nos últimos anos, a empresa investiu na expansão de seus canais de venda para muito além dos catálogos da venda direta.

Em 2016, a empresa inaugurou a primeira loja física no shopping Morumbi, na zona sul de São Paulo.  No mesmo ano, algumas linhas de produtos começaram a ser vendidos em redes de farmácia.

Sinal dos tempos em que as empresas estão se tornando cada vez mais multicanal. “A Natura tem se esforçado para estar cada vez mais perto dos consumidores, seja na loja física, no e-commerce e agora também dentro dos carros”, afirma Padovani.

A parceria também faz parte da estratégia da 99 para atrair mais motoristas mulheres para o aplicativo. Recentes denúncias de assédio envolvendo motoristas fizeram com que a demanda por motoristas mulheres crescesse.

A empresa criou um serviço opcional para mulheres que desejam apenas fazer viagens com motoristas do sexo feminino.

Saraiva quer unir lojas físicas e
e-commerce. Foto: Humberto Sousa
 

DESCONTO ATÉ A LOJA

Mas não é apenas a Natura que decidiu unir mobilidade e compras. A rede livrarias Saraiva também pegou carona no aplicativo da 99.

Desde o começo deste mês, os clientes, que fizerem compras pelo e-commerce e optarem por pegar o produto em uma das mais de 100 lojas da rede, receberão R$ 20 de desconto em corridas de táxi ou de carro particular do app.

Os motoristas também serão recompensados. Eles receberão um cupom de desconto de R$ 15 para gastar nas lojas da rede.

De acordo com Adriano Tavolassi, diretor de e-commerce da Saraiva, essa ação faz parte de um projeto maior da rede de livrarias que visa melhorar a experiências dos consumidores e aumentar a integração entre as compras online e offline.

Hoje, 18% dos clientes do e-commerce já escolhem receber seus produtos nas unidades. Por ano, o site recebe cerca de 230 milhões de visitantes.

A parceria irá durar até o fim do ano e poderá ser estendida dependendo dos resultados.

O Magazine Luiza realizou uma ação similar. Desde agosto, os clientes da loja também ganham R$ 20 de desconto nas corridas da 99, quando escolhem a opção “Retirar Loja” no e-commerce.

As parcerias da 99 não ficam apenas no varejo. O Fluminense, time de futebol do Rio de Janeiro, oferece descontos para a ida dos torcedores aos jogos.

A Easy Táxi, principal concorrente da 99, ainda não realiza parcerias semelhantes. Já a Uber realiza ações promoções. Em 2016, por exemplo, os motoristas da empresa distribuíram sorvetes da marca Dileto.

Essas e outras ações têm fortalecido a empresa no mercado de aplicativos.

Muitos especialistas apostam que a 99 pode se tornar a primeira startup brasileira a ganhar o título de unicórnio, termo usado para definir empresas emergentes avaliadas com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão.

FOTO: Divulgação