Inovação

Para não pisar na bola: os erros mais comuns dos novatos do e-commerce


Está pensando em abrir uma loja virtual? Conheça os percalços que podem aparecer no caminho


  Por Thais Ferreira 24 de Setembro de 2015 às 00:00

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


Criar um e-commerce não é apenas abrir um site e começar a vender pela internet. Essa operação é muito mais complexa e exige mais conhecimentos do que a maioria das pessoas imagina. 

Muitas lojas virtuais nascem do desejo dos comerciantes expandirem a loja física e outras pela vontade de uma pessoa de empreender. O fato é que, infelizmente, grande parte não sobrevive.  

De acordo com a estimativa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm),  existem cerca de 45 mil lojas virtuais no Brasil, sendo que somente 30% delas estão ativas. A maioria dessas empresas está nos segmentos de moda, saúde e beleza, eletrônicos e acessórios.

CAPA DO LIVRO DE GABRIEL LIMA: A OBRA ABRANGE OS PRINCIPAIS ASPECTOS DO VAREJO VIRTUAL. Foto: Divulgação

Para ajudar a melhorar esses números, Gabriel Lima – que possui uma longa carreira no varejo digital e é cofundador da Enext, consultoria para e-commerces – escreveu o livro “Comércio Eletrônico: Melhores Práticas do Mercado Brasileiro”, lançado neste ano. 

A obra é um guia que trata de diversos aspectos que todo empresário deve considerar ao abrir uma loja virtual: que vão desde os recursos humanos, passando pela operação, logística e comercial, até o marketing.  

Em entrevista para o Diário do Comércio, o consultor comentou os principais problemas que os empresários enfrentam nas fases iniciais e como evitá-los. Confira quais são os cinco principais erros de principiante:

1. Não fazer um planejamento específico 
Um dos principais deslizes dos empresários é acreditar que um e-commerce é igual a uma loja física. “Na verdade, há muitas diferenças: não há vendedor e nem contato direto com os clientes”, afirma Lima.

Subestimar a complexidade das lojas virtuais pode ser uma armadilha perigosa porque faz com que muitos empreendedores deixam o planejamento de lado. As lojas virtuais devem ser pensadas como um negócio diferente e que têm suas próprias particularidades

2. Ver apenas o aspecto tecnológico 
Ter uma boa plataforma e boas funcionalidades é importante para qualquer varejo virtual, mas é apenas um dos muitos pilares. É essencial pensar nos outros aspectos como marketing, comunicação e logística.

“Muitas pessoas concentram todo o peso e o dinheiro nos aspectos tecnológicos e esquecem dos demais”, diz Lima. “Deve haver uma cinergia entre todos esses pontos.” 

Leia Mais: Loja na nuvem ou na terra? É melhor unir as duas


3. Não ter agilidade na entrega
Num e-commerce a satisfação do cliente está relacionado com a entrega do produto em boas condições e no prazo combinado. Para que isso aconteça, é preciso que vários aspectos da operação sejam realizados corretamente. É importante ter atenção desde o cadastro dos itens com foto e descrição detalhada até uma armazenagem adequada.

“Outro fator importante é venda entre estados diferentes, alguns cobram o imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS) no local de origem e outros no destino”, afirma Lima. “Tenha um contador que entenda os por menores do negócio.”

4. Colocar todos os ovos na mesma cesta 
Existem vários canais para trazer tráfego para as lojas virtuais. No entanto, muitas pessoas acreditam que os links patrocinados do Google são o que dão maior resultado. “A verdade é que todos os negócios que dependem dos anúncios no Google não ganham dinheiro, por causa dos custos elevados desses links”, afirma Lima.

De acordo com o especialista, é preciso misturar os diversos canais para atrair os consumidores.  Os principais são as mídias sociais, a busca orgânica por meio de estratégias de SEO, as ferramentas para incentivar a recompra e o e-mail marketing.

5. Não analisar os dados
Os e-commerces geram uma quantidade enorme de informações sobre os consumidores e a aceitação dos produtos. “É fundamental acompanhar as taxas de conversão e saber quais os canais estão atraindo novos consumidores ou fideliza antigos clientes“, diz Lima.

O especialista acredita que entender os indicadores e cruzar os dados são passos importantes para o sucesso de uma loja virtual. 

*Foto: ThinkStock