Inovação

Nubank se tornou o terceiro unicórnio brasileiro


O Nubank entrou para o clube das empresas valorizadas em US$ 1 bilhão


  Por Estadão Conteúdo 01 de Março de 2018 às 09:20

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A startup brasileira Nubank, conhecida por seu cartão de crédito roxo, acaba de levantar US$ 150 milhões, na sexta rodada de investimentos desde sua fundação, em 2013.

O aporte foi liderado pelo fundo DST Global, do megainvestidor russo Yuri Milner. O montante vai permitir que a empresa, que tem 3 milhões cartões de crédito emitidos no País, acelere sua transformação em um banco digital.

David Vélez, fundador e presidente, assegurou que o controle da empresa segue nas mãos dos sete sócios, mesmo após tantas rodadas.

"Já geramos caixa (a startup gera lucro operacional, mas não lucro líquido), ainda crescemos a uma velocidade rápida com o cartão e queremos lançar novos produtos." No passado, a empresa já afirmou que, além de oferecer uma conta-corrente, ainda em fase de testes, também estuda as áreas de empréstimos e investimentos.

O empresário colombiano também revelou pela primeira vez que o Nubank se tornou um "unicórnio" - apelido dado a startups avaliadas acima de US$ 1 bilhão -, seguindo os passos das brasileiras 99 e PagSeguro (ler mais ao lado).

Os recursos levantados pela empresa na nova rodada serão destinados a emitir mais cartões de crédito, além de tornar a companhia menos suscetível à inadimplência dos clientes.

Segundo o executivo, mais de 13 milhões de brasileiros já pediram um cartão do Nubank, mas a startup só emitiu o cartão para pouco mais de 20%.

A crise econômica e a ausência de um sistema brasileiro de bons pagadores, diz ele, têm sido o motivo para a startup adotar postura mais conservadora.

"Construir um motor próprio de análise de crédito é inovador, mas traz riscos", avalia Guilherme Horn, diretor de inovação da consultoria Accenture.

Além do cartão de crédito, a empresa também oferece um programa de fidelidade atrelado ao cartão, o Nubank Rewards, e a conta-corrente NuConta, testada por um pequeno grupo de usuários.

Menina dos olhos da empresa - e considerada por especialistas como passo importante para a startup se tornar um banco digital -, ela ainda é limitada a poucos recursos. "Preferimos lançar um produto rápido na rua, escutar dos clientes e aí abrir para todo mundo", diz Vélez, que espera abrir a NuConta para qualquer usuário nas "próximas semanas."

NOVA SEDE


Para dar conta de todos os planos, a empresa segue em ritmo forte de contratações. Ao longo de 2017, o Nubank dobrou de tamanho e encerrou o ano com 750 funcionários - agora, já são 900 pessoas. Isso vai obrigar a empresa a abrir um segundo escritório no segundo semestre.

"Estamos contratando qualquer bom engenheiro ou cientista de dados que esteja no mercado sem pensar duas vezes", diz. "Sem gente que faz código, não se faz uma empresa de tecnologia."

Segundo especialistas, o maior desafio da empresa nos próximos meses será crescer no mesmo ritmo: hoje, o número de cartões emitidos aumenta 10% ao mês. Além disso, a startup terá de se manter inovadora face às investidas da concorrência. "O mercado está passando por uma 'nubankização'", avalia Felipe Matos, autor do livro 10 Mil Startups.

Nos últimos meses, bancos têm lançado cartões e contas digitais controlados via app - é o caso do Bradesco, com o banco digital Next. "Nenhum desses projetos alcançou a penetração que o Nubank tem", diz Gilberto Sarfati, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP).

LEIA MAIS: O que é unicórnio

É um feito para uma startup alcançar avaliação acima de US$ 1 bilhão em qualquer lugar do mundo. E, até agora, só duas startups brasileiras tinham conseguido: o aplicativo de transporte 99 e a plataforma de pagamentos PagSeguro. O Nubank é a terceira a entrar para o clube dos chamados "unicórnios".

A 99 conseguiu o status ao ser comprada pela chinesa Didi Chuxing por US$ 600 milhões em janeiro. A PagSeguro, por outro lado, superou este valor de mercado após sua oferta inicial de ações na bolsa de valores Nasdaq, nos Estados Unidos.

Já o Nubank conseguiu entrar no clube sem precisar fazer nenhuma das duas coisas - segundo o fundador e presidente, David Vélez, a empresa chegou ao valor de US$ 1 bilhão antes rodada de investimentos revelada nesta quinta-feira (01/02).

Fontes próximas à startup não souberam precisar quando isso aconteceu, mas acreditam que o exemplo da 99 e do PagSeguro fizeram Vélez tornar pública a conquista. "É bom mostrar para os brasileiros que é possível empreender no País, mesmo em setores regulados", disse Vélez.

Para Felipe Matos, autor do livro 10 mil startups, o País está vendo uma "manada de unicórnios". "É algo que anima muito o mercado", diz ele. Já o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), Gilberto Sarfati, enxerga a marca com ceticismo. "Até a empresa ter capital aberto, é algo meramente especulativo", afirma.

LEIA MAIS: Inovação x Estado: em choque com o futuro

Listar ações em bolsa, porém, parece estar longe dos planos do Nubank. "Nunca discutimos o tema em reuniões de conselho", diz Vélez. "É ótimo ser uma empresa privada." 

IMAGEM: Thinkstock