Inovação

Marcas e lojas que encantam mundo afora


Ações como o espelho inteligente da Rebecca Minkoff (na foto), em Nova York, prometem mudar a forma como varejistas interagem com os consumidores


  Por Mariana Missiaggia 14 de Maio de 2018 às 08:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Personalização, tecnologia e inteligência são algumas palavras que definem o futuro do varejo, na visão de Maurício Morgado, especialista em varejo da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Durante a NRF 2018, em Nova York, que aconteceu em janeiro, Morgado observou durante algumas visitas técnicas que a adoção de tecnologia, uma boa gestão de estoque e loja bonita já não são mais suficientes para alcançar sucesso no varejo.

Durante o 6º Fórum de Varejo Regional promovido pela Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic), Morgado afirmou que, para construir um futuro saudável, as empresas precisam desenvolver inovações que possam oferecer customização, facilidade, transparência nos preços, propósito de marca, bem-estar aos funcionários e uma experiência criativa ao consumidor.

Com o crescimento das vendas pela internet, o avanço da tecnologia e a formação de consumidores cada vez mais exigentes, o comportamento de consumo mudou -o que tem compelido muitas empresas a transformar seu modelo de negócio.

De acordo com Morgado, parte desse processo de criação de afinidade com os consumidores tem como base a relação que a própria empresa cultiva com seus funcionários, seja promovendo treinamentos, melhorando o ambiente de trabalho ou até mesmo investindo em diversidade – para que todos os clientes se sintam compreendidos pela marca por meio de seus colaboradores.

Morgado destaca que não por acaso, as melhores empresas para se trabalhar são as mais bem avaliadas para fazer compras.

Ele cita a varejista The Cointainer Store, rede especializada em itens de organização para casa, que além de manter um elevado índice de vendas, está no topo da lista de melhores empresas para se trabalhar da revista americana Fortune.

A empresa mantém uma média de 15% a 20% de rotatividade em um setor em que esse índice é de 90%. “Funcionários mais felizes atendem melhor os consumidores”, diz.

Algumas marcas já perceberam que é necessário se adaptar a essas mudanças e criaram sua própria receita de bolo para o sucesso. Veja alguns exemplos:

REBECCA MINKOFF E O "ESPELHO MÁGICO"

Na loja da grife americana Rebecca Minkoff , em Nova York, a cliente consegue escolher as roupas e acessórios que deseja provar por meio de uma espécie de espelho mágico.

CLIENTE É AVISADA QUANDO SUAS ESCOLHAS CHEGAM
AO PROVADOR

Logo na entrada da loja, uma gigantesca tela touch, que também faz as vezes de espelho pode ser acionada pelas clientes com um simples toque e o cadastro de um número de celular. Navegando por essa tela, as clientes podem acessar o catálogo da loja e selecionar os itens que desejam experimentar.

Ao finalizar o processo de escolha, uma mensagem é enviada ao celular cadastrado indicando para qual provador ela deve se dirigir. Ao mesmo tempo, as clientes também podem solicitar gratuitamente água, chá, espumante ou café expresso e recebem outra mensagem quando a bebida estiver pronta.

Dentro do provador, a interação segue por meio digital – os espelhos também funcionam como telas sensíveis ao toque, que possibilitam mudar a iluminação, simulando luz do dia, entardecer, noturna e também solicitar outros tamanhos, cores e modelos.

Uma grande vantagem do sistema é permitir ao varejista acompanhar os itens levados até o provador para traçar perfis e preferências das clientes, pois toda a interação fica gravada no histórico de compras.

PRATICIDADE NA MUJI

Para provar que design não envolve apenas forma e beleza, mas também funcionalidade, a Muji, rede japonesa que vende desde roupa até utensílios domésticos, investe em itens simples, intuitivos, fáceis de manusear, sustentáveis e duradouros.

MUJI APOSTA EM ITENS BÁSICOS, DE BOA DURABILIDADE E PREÇOS
BAIXOS

Em geral, os produtos da Muji buscam resolver problemas de organização e aproveitamento de espaço. Há, por exemplo, uma infinidade de caixas que se empilham perfeitamente e compartimentos para todo e qualquer tipo de objeto. Tudo é empilhável, dobrável e adaptável para mais de uma função.

Com a proposta de menos é mais, o cliente não encontra produtos com estampas, tingimentos, bordados e outros acabamentos que não sejam extremamente necessários para a funcionalidade do objeto. Dessa forma, boa parte dos custos são cortados, possibilitando a competitividade dos preços e a alta qualidade.

"Você não compra pela beleza, cor ou marca. Trata-se de necessidade. É pela qualidade, funcionalidade e pelo preço - um ótimo posicionamento", diz Morgado.  

Com mais de 700 lojas pelo mundo, em Nova York a empresa criou espaços nos quais é possível personalizar carimbos, aromas para difusores, descansar em grandes e espaçosos puffs, mesmo sem comprar nada da marca. 

AMERICAN GIRL E AS BONECAS PESONALIZADAS

Com mais de 30 milhões de bonecas vendidas, a empresa que surgiu no mercado americano em 1986 é hoje famosa pelos quatro cantos do mundo.

QUERIDINHA ENTRE AS MENINAS, AMERICAN GIRL CRIA
BONECAS IDÊNTICAS ÀS DONAS

O grande atrativo da marca é a possibilidade que as pequenas consumidoras têm de personalizar suas bonecas do jeito que quiserem.

São mais de 40 modelos diferentes – com 46 centímetros de altura e nas versões loiras, ruivas, morenas, asiáticas e negras – para que as meninas possam ter uma boneca parecida fisicamente com elas por cerca de U$ 200. É possível escolher o formato do rosto, a cor dos olhos, da pela e o tipo de cabelo.

Para tornar a brincadeira ainda mais real, a loja principal da marca, em Nova York, oferece um universo encantador ao redor dos seus produtos com direito a cabeleireiro, SPA e até cadeira à mesa dos restaurantes, onde muitas famílias jantam juntas e até realizam festas.

Além de roupas e acessórios iguais para bonecas e clientes, essas pequenas consumidoras ainda podem agendar um horário no salão de beleza da loja para sair exatamente iguais – com o mesmo corte de cabelo, penteado e maquiagem. Todos os itens e serviços são vendidos separadamente.

SHINOLA E O ARTESANATO

Queridinha entre os jovens americanos, a Shinola - empresa que produz relógios, bicicletas e artigos de couro de alta qualidade, utilizando processos semiartesanais, tem como ideal a preservação do artesanato.

SHINOLA ENCANTOU CLIENTES AO CONSTRUIR FÁBRICA
PARA AJUDAR A CIDADE DE DETROIT

A grande sacada da empresa para encantar millenials (nascidos entre as décadas de 1980 e 1990), foi escolher a cidade de Detroit para construir sua fábrica com o intuito de revigorar a cidade e de  trazer empregos de volta para os Estados Unidos. A notícia ganhou muita repercussão em 2015.

De acordo com Morgado, esse tipo de história é perfeito para atingir novos consumidores, pois lhes dá um motivo nobre para se engajar com uma marca.

PESCARIA NO HEMA SUPERMARKET

O supermercado que marca a entrada do Alibaba no varejo físico, Hema Market, chegou para desconstruir toda a jornada de compra tradicional feita pelos consumidores. A loja mistura os conceitos online e off-line para proporcionar uma experiência de compras completamente diferente.

Trata-se de um processo totalmente apoiado pelo aplicativo do Alibaba, que pode ser acessado dentro da loja (facilitando o processo de checkout), a caminho da loja (apenas para retirar um produto) ou em casa (como delivery de comida pronta).

Em um vídeo divulgado pelo grupo, é possível passear pelo espaço e observar clientes testando algumas das principais novidades promovidas no espaço. Para comprar os produtos, os consumidores precisam fazer o download do aplicativo, pois todos os itens da loja possuem código de barras que, quando escaneados, trazem informações detalhadas sobre o produto.

Além disso, cada consumidor recebe uma lista de recomendações com base no perfil de sua cesta de compras. Uma das seções mais populares é a de frutos do mar, já que os chineses possuem uma cultura muito forte de escolher e consumir peixes frescos.

Nas unidades do Hema, os clientes “pescam” seus próprios crustáceos e não precisam esperar chegar em casa para consumi-los - eles podem ser preparados na área de restaurantes da loja.