Inovação

Glossário do empreendedor: o que é hackathon


Conheça a expressão criada para designar eventos de curta duração em que empreendedores solucionam desafios tecnológicos de grandes empresas


  Por Italo Rufino 08 de Setembro de 2016 às 13:00

  | Repórter isrufino@dcomercio.com.br


Nos últimos anos, as grandes empresas têm percebido que inovar apenas com as próprias forças é extremamente árduo.

Primeiro: as empresas não possuem as melhores e mais diversificadas mentes em seu quadro de funcionários – e pessoas são o maior ativo para gerar inovação. 

Segundo: mesmo capacitados, os funcionários operam dentro da lógica, muitas vezes pouco flexível, de uma grande corporação, com governança e processos rígidos, e pode haver o receio generalizado de trocar o que é velho, mas ainda dá certo, pelo risco de inovar.  

Para desatar esse nó, muitas companhias estão buscando práticas de inovação aberta – cooperações com universidades, institutos de pesquisa, fornecedores e clientes para solucionar desafios e inovar. 

Entre as práticas colaborativas mais usadas recentemente está o hackathon, que se traduz por encontros intensivos em que uma empresa propõe um desafio tecnológico que deve ser solucionado por startups e desenvolvedores em um curto período, geralmente, de um a três dias.

Uma boa maneira de oxigenar a empresa por meio da cultura de risco, experimentação e soluções ágeis.

Sabia mais sobre o termo. 

LEIA MAIS: Como eles posicionaram suas empresas no topo do pódio da inovação?

IMPACTO NAS EMPRESAS

De acordo com Pedram Keyani, diretor de engenharia de crescimento do Uber e ex-diretor do Facebook, onde realizou mais de 40 hackathons, a proposta de construir um produto que se prove minimamente viável dentro de um prazo apertado demanda escolhas difíceis e constantes e encoraja a criatividade. 

“Restrições são um multiplicador de força notável para a inovação”, diz o executivo, autor de um artigo a respeito do tema. 

Uma das orientações de Keyani para empresas que desejam realizar um hackathon é criar previamente um arquivo compartilhado para que os participantes, que já deverão ter conhecimento do desafio, apresentem ideias e listem quais tipos de habilidades possuem e quais companheiros de time estão em busca. 

Isso os encorajam a formar equipes e começar a trabalhar espontaneamente – o que Keyani denomina como “autogerenciamento orgânico”. 

LEIA MAIS: O que sua empresa pode aprender com as líderes mundiais de inovação

As ideias que nascem em um hackathon não precisam ser, necessariamente, inovações disruptivas – o que é aceitável, nas palavras de Keyani.

O objetivo de um hackathon é criar experimentação sem medo de errar, o que faz nascer descobertas menos óbvias, mas igualmente importantes, fortalecendo a cultura de inovação na empresa.  

Em março passado, a L’Oréal realizou o hackathon Beautyhack. O evento teve 108 startups inscritas, das quais 15 foram selecionadas para desenvolverem aplicativos móveis para quatro áreas estratégicas da empresa. 

O projeto vencedor foi o da startup paranaense Neomode, que propôs um aplicativo para integrar os canais de venda e distribuição, on e off-line, dos produtos da marca de cosméticos Maybelline. 

O app possui uma loja virtual e funcionalidades como consulta antecipada a disponibilidade de produtos em quiosques e lojas físicas, sistema de reserva de produtos e conteúdo desenvolvido por consultoras de beleza. A startup recebeu um prêmio de R$ 100 mil para desenvolver o aplicativo. 

HACKATHON DA L'ORÉAL: PRÊMIO PARA STARTUP COM MELHOR PROJETO/Foto: Divulgação/L´Oréal

Alguns modelos de hackathon são focados na exploração de dados livres – e o desafio é usar a informação para criar soluções úteis para a sociedade. Esse formato tem sido usado por órgãos governamentais. 

No ano passado, a consultoria Futura Networks, com apoio da Prefeitura de São Paulo, criou o Hackathon SP Interativa, para escolher aplicativos relacionados aos serviços de iluminação, limpeza urbana e wifi livre na cidade de São Paulo. 

Foram disponibilizados aos participantes dados do Departamento Municipal de Iluminação Pública, como os protocolos de atendimento ao consumidor, e dados da Coordenadoria de Conectividade e Convergência Digital.

Um dos aplicativos vencedores mostra um mapa de todas as praças WiFi Livre da cidade e informações técnicas, como o número de acessos e velocidade de rede. 

LEIA MAIS: Nascidas para inovar: as invenções das emergentes

ORIGEM 

O termo hackathon nasceu da junção das palavras em inglês hack e marathon, que em livre tradução pode ser entendido como uma maratona de programação de hackers, pessoas com profundo conhecimento em tecnologia, sistemas e programas de computação.

A prática teve início com a popularização de empresas de internet, no final da década de 1990. 

O filme A Rede Social, que conta a história do Facebook, mostra rapidamente um tipo de hackathon deturpado – numa cena, jovens programadores provam seus conhecimentos para conquistar vagas de trainee na empresa de Zuckerberg. O desafio: hackear um servidor enquanto consumem bebida alcoólica. 

ENTENDA OUTROS TERMOS DO GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR:
Cobranding
Crowdsourcing
Benchmarking
Bootstrapping
Fisital
Freemium
Growth Hacking
Holding
Investimento de risco
Pivotar
Protótipo
Transmídia

IMAGEM: THINKSTOCK