Inovação

Fundo que investe em startups ainda procura negócios inovadores


Criado pela Agência de Desenvolvimento Paulista, a Desenvolve SP, fundo já desembolsou R$ 39 milhões de R$ 105 milhões disponíveis


  Por Estadão Conteúdo 26 de Julho de 2016 às 19:36

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Um fundo criado pela Agência de Desenvolvimento Paulista, a Desenvolve SP, para investir em startups e pequenas e médias empresas do Estado já desembolsou, desde a sua criação, em 2013, R$ 39 milhões, segundo o primeiro balanço do programa. 

Os recursos foram distribuídos entre 12 companhias, de segmentos considerados propulsores de inovação, como tecnologia agropecuária e tecnologia de informação.

Chamado de "São Paulo Inova", o Fundo de Investimento em Participações (FIP) representa um grupo de investidores dispostos a apostar em negócios inovadores no Estado. 

LEIA MAIS: Quem quer um investimento milionário?

Seus recursos somam R$ 105 milhões em investimentos possíveis. Os primeiros R$ 39 milhões desembolsados até o momento equivalem a 37% deste total. 

Embora tenha sido criado em 2013, o fundo fez seu primeiro investimento em agosto de 2014, para a Promip, no valor de R$ 4 milhões.

Além de contar com o apoio e recursos da própria Desenvolve SP, o fundo também tem investidores como a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), o Sebrae-SP, o Banco de Desenvolvimento da América Latina e a Jive Investments.

Ao final do programa, 20 empresas consideradas de alto potencial inovador deverão ter recebido investimentos. 

No entanto, em razão da crise econômica, esse número pode cair para 18, diz Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, gestora do FIP. 

"Se necessário, a ideia é de que, com uma maior sobra de recursos, possamos dar ainda mais suporte às empresas já contempladas tanto para a realização dos chamados follow ons quanto para suprir eventuais necessidades financeiras", afirma.

De acordo com a estratégia de investimento do fundo, 80% do patrimônio comprometido deve ser aportado em empresas com faturamento anual bruto de até R$ 3,6 milhões, incluindo startups em estágio inicial de operação. 

Os 20% restantes devem ser aplicados em empresas com faturamento bruto anual de até R$ 18 milhões. A fase de desinvestimento do FIP está prevista para ocorrer entre 2018 e 2021.

FOTO: Thinkstock