Inovação

Aplicativo tailandês impede aglomeração em shoppings


Clientes e funcionários dos empreendimentos do The Mall Group, na Tailândia, reabertos em maio, adotaram medidas rigorosas de segurança. O país é o menos afetado pela pandemia


  Por Mariana Missiaggia 10 de Setembro de 2020 às 07:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


O início de setembro marcou um momento importante para a Tailândia. O país que sustenta uma população e aproximadamente 70 milhões de habitantes completou, no último dia 2/9, cem dias sem registrar infecções locais do novo coronavírus.

Apesar da proximidade com a China e de ser o principal destino dos turistas chineses, a Tailândia escapou do grande aumento de infecções de outros países. As autoridades tailandesas anunciaram um total de 3,4 mil casos e 58 mortes, tornando o país um dos menos afetados do mundo pela pandemia.

A queda no número de casos veio após a aplicação de medidas rigorosas no país, como o fechamento das fronteiras, a adoção precoce do uso de máscaras e o distanciamento social. 

GRUPO TAILANDÊS REPENSOU TODA A TRAJETÓRIA
DE COMPRA DO CONSUMIDOR DENTRO DOS SHOPPINGS

Vivendo sob certo senso de normalidade desde maio por conta da redução de números de casos, a Tailândia foi um dos primeiros países a reabrir os shopping centers durante a segunda fase do relaxamento no país, em maio.

Um vídeo do The Mall Group, responsáveis por empreendimentos em Bangkok, como o The Mall, Siam Paragon, Emporium e Emquartier, mostra as adaptações adotados por clientes e funcionários.

"Implementamos medidas, incluindo registro de clientes, máquina de higienização com raios ultravioleta e pagamento sem contato, que garantirão a experiência de compra e estilo de vida mais segura possível para todos", disse Voralak Tulaphorn, diretora de marketing do The Mall Group, na época da reabertura.

Um aplicativo criado pelo governo tailandês, chamado Thai Chama, é uma das ferramentas utilizadas para receber clientes. A tecnologia ajuda a rastrear a movimentação pelo comércio e fortalecer o controle da doença. Ao se registrar no aplicativo, o usuário indica em que estabelecimento se encontra e o tempo estimado que ficará no local.

PROVADORES SÃO HIGIENIZADOS APÓS CADA USO

Em tempo real, o aplicativo analise o atual número de visitantes da loja ou do shopping escolhido e emite ou não a liberação para entrada. Esse tipo de registro permite que o público veja os registros de cada endereço, evite a superlotação e respeite o distanciamento social.

Por meio dessa ferramenta, o The Mall Group consegue garantir que o acesso aos seus shoppings seja limitado a um cliente por cinco metros quadrados.

Ao chegar, todos os consumidores passam por uma espécie de túnel de higienização com raios ultravioleta. Em seguida, passam por um tapete higiênico, aferem temperatura, registram sua presença no aplicativo, passam álcool nas mãos, recebem a liberação on-line e apresentam para um segurança. O uso de máscaras também é obrigatório durante todo o tempo de visita.

Para quem chega de carro, no lugar de um tíquete de estacionamento, o motorista passa por uma tela de QR code que lhe orienta sobre as vagas e forma de pagamento sem contato humano.

Na praça de alimentação, nenhum tipo de atendimento self-service foi liberado. As mesas são isoladas de acordo com as regras de distanciamento e levam proteção por acrílico. Após o uso ou a cada meia hora, mesas e cadeiras são limpas e higienizadas por um funcionário.

Dentro dos elevadores, o distanciamento é mantido e apenas o operador está autorizado a tocar no painel. O chão dos empreendimentos também é todo adesivado orientando as distâncias adequadas entre os consumidores.

Nas escadas rolantes, foram instalados totens com desinfetantes para garantir higiene e segurança no contato com o corrimão. Cabines de higienização de sacolas também foram instaladas nas dependências dos shoppings e fazem parte da jornada de compras.

Nas lojas, os protocolos de segurança continuam. Em lojas de departamentos, além da capacidade de atendimento reduzida, apenas dois consumidores por corredor. Para utilizar os provadores que são esterilizados a cada uso é obrigatório o uso de luvas descartáveis, face shield e máscara. Lojas de sapatos são obrigadas a fornecer meias descartáveis para seus clientes provarem os calçados. Lojas de eletroeletrônicos e eletrodomésticos têm itens de mostruário limpos após a visita e contato de cada cliente.

Salões de beleza e outros negócios de serviços só podem atender com agendamento e cada cliente passa por uma entrevista prévia para relatar possíveis sintomas ou contato anterior com o vírus.





Publicidade





Publicidade





Publicidade