Gestão

Tão importante quanto sonhar é compartilhar o sonho


Uma plateia de quase 800 pessoas enfrentou fila para ouvir os ensinamentos do executivo Pedro Janot na Feira do Empreendedor


  Por Italo Rufino 22 de Fevereiro de 2016 às 20:13

  | Repórter isrufino@dcomercio.com.br


Antes de compor, juntamente com David Neeleman, o rosto da Azul Linhas Aéreas – empresa que ajudou a fundar e presidiu entre 2008 e 2012 –, Pedro Janot já era um executivo respeitado com passagens pelas Lojas Americanas, Companhia de Marcas (dona da marca de vestuário Richards) e Zara – foi o responsável por iniciar a operação do grupo espanhol no Brasil.

Mas foi à frente da companhia aérea que o executivo se consagrou ao aceitar o desafio de gerir uma empresa nascente que tinha fortes concorrentes, como as tradicionais Tam e a Gol, que na época de fundação da Azul já faturavam mais de R$ 1 bilhão por trimestre.

Quatro anos depois, quando Janot terminou seu mandato, a Azul ocupava o terceiro lugar na lista das maiores companhias aéreas brasileiras – detendo cerca 10% em participação de mercado.

E qual fator leva uma empresa a tamanho sucesso? De acordo com Janot, o êxito depende do sonho do empreendedor. “Só o sonho move o homem a trabalhar de maneira persistente dia e noite e não desanimar frente aos desafios”, afirma.

E de desafios o executivo entende bem. Em novembro de 2011, Janot sofreu um acidente ao cair de um cavalo durante passeio pelo sítio de sua família, em Joanópolis, no interior paulista.

O acidente o deixou tetraplégico. Mas nada de lamúria. Poucos meses depois, o executivo retornou ao batente. Durante a adaptação à nova condição, as reuniões semanais da diretoria da empresa eram feitas na própria casa de Janot.

Mas ao pensar numa pequena empresa, como o empreendedor deve cuidar de seu sonho ao lidar com o crescimento da organização, quando o número de funcionários cresce e ele deixa de ser o único responsável pelo contato com o cliente?

Nessa hora, é preciso transmitir o sonho a todas as pessoas da organização, o ativo mais importante de uma empresa e responsável pelo êxito do negócio segundo Janot.

E o compartilhamento de um sonho ocorre por meio da cultura corporativa da organização – o que Janot define como “o conjunto de valores, expectativas, atitudes, ritmos e normas da empresa.”

Foi exatamente esse o tema da palestra que Janot proferiu para uma platéia de quase 800 pessoas no terceiro dia da Feira do Empreendedorque o Sebrae promove em São Paulo.

JANOT: A IMPORTÂNCIA DA CULTURA

Conheça algumas orientações do executivo para ter pessoas comprometidas trabalhando para satisfazer os clientes. 

CONTRATE POR ATITUDES 

É comum que as empresas contratem pessoas avaliando as competências técnicas e habilidades. Não há nada de errado em seguir essa premissa, mas é importante avaliar também o comportamento do candidato – as atitudes proativas que ele terá no ambiente de trabalho. 

Sabe quando você entra numa loja e se depara com um funcionário inerte mexendo no celular que espera o cliente perguntar algo para iniciar o atendimento? Então, esse funcionário não passou por uma avaliação de atitudes. 

DEFINA UMA PROPOSTA DE VALOR E A PRATIQUE 

Janot disse que a proposta de valor deve estar alinhada ao que empreendedor tem prazer e afinidade em fazer – e ele deve deixar isso claro para seus pares, funcionários e fornecedores para que todos busquem o mesmo ideal. 

“Na Azul, assumimos a postura de que gostávamos e nos importávamos, realmente, com o cliente”, disse Janot. “Mas para honrar a nossa palavra tínhamos que nos diferenciar e satisfazê-los.”

O executivo comentou que a Azul foi eleita a companhia aérea de baixo custo mais pontual do mundo em 2015, de acordo coma Official Airline Guide, instituição independente que monitora a pontualidade de vôos comerciais. Na avaliação que considera todos os segmentos de custo, a Azul ficou em terceiro lugar.

PLANEJE MUITO BEM A OPERAÇÃO DA EMPRESA

O empreendedor deve ter em mente quais serão os processos de sua empresa e mapear os pontos de contato com o cliente e de qual forma ele interage com os produtos ou serviços oferecidos. 

Nesse momento, é necessário ter foco sobre qual cliente a empresa quer atender, quais são os comportamentos que ele possui e o que espera da empresa. “Quem atende todos não atende ninguém.” 

O executivo comentou sobre a sua experiência na Zara, onde foi CEO entre 1998 e 2006. Segundo Janot, a trajetória da empresa foi construída em cima de um foco sobre qual cliente a marca desejava atender. 

“A empresa vende para clientes que se enquadram dentro de um determinado estilo de moda”, disse Janot. “Se você estiver acima do peso, por exemplo, não vai comprar lá, pois não terá números grandes, terá que comprar em outra loja.”

LIDERE PELO EXEMPLO

Janot disse que a responsabilidade do empreendedor é liderar com justiça, inspirar, mostrar caminhos e fazer com que as pessoas o sigam. Mas nada disso faz sentido se ele não ser exemplo do que prega. 

“O exemplo é a melhor forma de educação, cria aderência aos valores e ajuda na formação emocional dos demais.”

Ao fim de sua palestra, Janot falou de outra característica de um bom líder, otimismo. 

“Mas também devemos ser realistas”, disse. “Numa tempestade, devemos ajustar as velas do barco em vez de apenas esperar que o vento mude de direção.”

FOTOS: Divulgação/Sebrae-SP