Gestão

Pedidos de falência sobem 28,9% em junho


Já os pedidos de recuperação judicial cresceram 82,2%. Mesmo assim, com os impactos da pandemia, a tendência é de piora nos indicadores de solvência das empresas, diz a Boa Vista


  Por Redação DC 08 de Julho de 2020 às 08:58

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Os pedidos de falência voltaram a subir e registraram alta de 28,9% em junho, na variação mensal, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Na mesma base de comparação, os pedidos de recuperação judicial, as falências decretadas e as recuperações judiciais deferidas subiram 82,2%, 93,0%, e 103,3%, respectivamente.

No primeiro semestre, apenas as falências decretadas registraram resultado negativo, com redução de 14,5% contra o mesmo período do ano passado. Por outro lado, os pedidos de falência avançaram 34,2%, os pedidos de recuperação judicial 32,8% e as recuperações judiciais deferidas 45,3%, mantida a base de comparação.

LEIA MAIS:  Pedidos de falência avançam 30% em maio

Da mesma forma, na variação acumulada em 12 meses apenas as falências decretadas apresentaram queda em junho (-6,5%). Já os pedidos de falência subiram 28,8%, assim como os pedidos de recuperação judicial (28,2%) e as recuperações judiciais deferidas (37,4%).

De acordo com os resultados acumulados em 12 meses, apesar das falências decretadas ainda registrarem queda, já se nota um aumento nos pedidos de falências, refletindo as dificuldades que as empresas encontraram em manter as atividades no 1º semestre.

Com os impactos econômicos causados pela chegada do novo coronavírus, e como já observado na análise mensal, a tendência é de que as empresas continuem apresentando piora nos seus indicadores de solvência durante o período mais agudo da crise.

POR PORTE 

As pequenas empresas, por exemplo, foram responsáveis por 93,4% dos pedidos de falências e 94,2% dos pedidos

de recuperação judicial. Com relação a falências decretadas e recuperações judiciais deferidas, também houve predominância de ocorrências entre pequenas empresas, que responderam por 95,8% e 94,3% dos totais.

POR SETOR

Na divisão por segmento da economia, o setor de Serviços, que concentra a maior parte dos pequenos empreendimentos, respondeu pelo maior percentual dos pedidos de falência (40,5%), seguido pelo setor de Comércio (29,8%) e Industria (29,6%).

No mesmo período do ano passado, o setor de Serviços respondeu por 42,8% dos pedidos de falência, contra 30,8% da Indústria e 26,4% do Comércio. 

FOTO: Thinkstock