Gestão

Glossário do empreendedor: o que é "bootstrapping"


No universo das startups, o termo significa criar e expandir um negócio sem recorrer a investimentos externos


  Por Italo Rufino 24 de Agosto de 2016 às 13:00

  | Repórter isrufino@dcomercio.com.br


Ao abrir um startup, uma das maiores preocupações do empreendedor é conquistar um sócio investidor – o capitalista que vai aplicar recursos para que sua ideia vire de fato um negócio emergente

Alguns empreendedores desejam uma lógica inversa. Criam startups apenas com capital próprio, seguram os gastos na empresa e na vida pessoal e não recorrem a investimentos externos até o negócio conquistar seus primeiros clientes. As vendas iniciais serão a fonte de recursos para manter a operação. 

O ato de criar uma startup apenas com recursos próprios é chamado de bootstrapping – e remete à essência do empreendedor de garagem e de universitários que dão assas a imaginação testando modelos de negócios com o mínimo de recursos.

Conheça mais sobre o conceito. 

VEJA TAMBÉM: Quem quer um investimento milionário?

VANTAGENS 

Empreender por meio de boostrapping é sinônimo de necessidade de extrema eficiência – uma vez que o capital é escasso.

Dessa forma, os empreendedores se veem obrigados a manter a operação a mais enxuta possível, ao mesmo tempo em que se tornam criativos e versáteis para lidar com adversidades sem ajuda externa. 

Sem investidores, o grupo de fundadores é único responsável por todas as decisões cruciais da startup. Paralelamente, tem o poder de fortalecer a cultura da organização a seu modo. 

A startup que obtém sucesso por conta própria – conquista boa base de clientes e desenvolve produto bem aceito no mercado –se torna uma bom ativo para futuro investidores, que se sentem muito mais confiantes de realizar aplicações em negócios autossustentáveis com empreendedores habilidosos.

Neste caso, numa negociação, o empreendedor pode barganhar melhores condições de valores e participação acionária. 

WOODMAN, DA GOPRO: CAPITAL INICIAL FOI EMPRESTADO PELOS PAIS/REPRODUÇÃO

A americana GoPro, que desenvolve câmeras digitais para filmagem de esportes radicais, foi criada por meio de bootstrapping em 2004.

O fundador, o apaixonado por surfe e esqui Nicholas Woodman, engenheiro de produto responsável pela pesquisa e desenvolvimento da câmara, vendia o produto em pequenos surf shops e fazia entregas de mercadoria usando uma kombi. 

O investimento inicial do negócio foi de US$ 245 mil, dos quais US$ 35 mil foram emprestados pela mãe de Woodman e US$ 200 mil pelo pai. 

Nos dez anos seguintes, o faturamento da GoPro dobrou a cada ano. Em 2012, a empresa ultrapassou a marca de 500 milhões em receitas e conquistou um markting share de cerca de 30% no mercado americano de câmeras.

No mesmo ano, a empresa recebeu um investimento de US$ 200 milhões da Foxconn, empresa chinesa que produz hardwares para Apple e Samsung. 

LEIA MAIS: Google abre novo espaço em São Paulo e está em busca de startups

ORIGEM 

De acordo com o Dicionário Oxford, um dos significados de bootstrap é “melhorar a sua condição por meio do próprio esforço.” O termo também é usado para nomear aquele pequeno pedaço de pano ou couro que fica na parte acima do calcanhar de botas – boot strap (alça da bota). 

O bootstrapping origina-se do ato de calçar a bota, puxando-a para cima e surgiu na Inglaterra no século 18. Desde então, o termo recebeu diversos significados metafóricos. 

Um deles foi usado no livro As Aventuras do Barão de Munchausen, que ganhou filme com mesmo título em 1988. A obra aborda a vida do capitão alemão aposentado Karl Hieronymous, que narra suas aventuras de guerra e viagens com toques de fantasia (mentira mesmo). 

Em um dos relatos, o barão afirma que escapou de morrer em um pântano ao puxar o próprio pé para cima – ou seja, ergueu a si mesmo. 

ENTENDA OUTROS TERMOS DO GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR:
Cobranding
Crowdsourcing
Benchmarking
Freemium
Growth Hacking
Holding
Investimento de risco
Pivotar
Protótipo 
Transmídia