Gestão

Facesp sugere a Doria adiar recolhimento de impostos do comércio


A medida pretende dar mais fôlego financeiro ao empresário nesse momento de crise gerado pela queda na demanda em consequência do coronavírus


  Por Redação DC 19 de Março de 2020 às 11:53

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) enviou nesta terça-feira (17) um ofício ao governador de São Paulo, João Doria, solicitando a postergação do recolhimento dos impostos dos empreendimentos comerciais, pelo tempo necessário à normalização das atividades econômicas, e o parcelamento dos valores acumulados no período.

“Essa medida vai se tornar inevitável uma vez que as empresas estão sendo seriamente afetadas em seus rendimentos e muitas já não têm recursos para pagar seus funcionários”, alerta o economista da ACSP, Marcel Solimeo

Segundo ele, a iniciativa dos bancos de aumentarem o prazo para o pagamento das dívidas pode ser um exemplo a ser seguido no caminho de evitar o colapso do comércio varejista e ajudar na manutenção dos empregos. “O que os empresários pedem é que o governo siga a mesma linha e crie melhores condições para o pagamento dos impostos”, finaliza.

CONFIRA A ÍNTEGRA DO OFÍCIO

São Paulo, 17 de março de 2020.

OF.SG.051/2020

 

Senhor Governador,

 

A Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo - Facesp e a Associação Comercial de São Paulo - ACSP cumprimentam Vossa Excelência pelas iniciativas adotadas no Estado para reduzir o impacto da pandemia do coronavírus que ameaça seriamente

o país. As entidades estão certas de que Vossa Excelência estará atento à adoção de novas medidas, se assim exigir a situação.

Permitem-se, no entanto, manifestar sua preocupação com o impacto econômico das restrições, que, embora necessárias, terão sobre as empresas, especialmente as de micro e pequeno portes, cuja situação de dificuldades é bastante séria em consequência da recessão

que atingiu o Brasil nos últimos anos.

Apesar do início da recuperação da economia observada a partir do ano passado, o ritmo de retomada das atividades ainda não foi suficiente para que as empresas menores pudessem se

capitalizar e reduzir seu alto endividamento.

A decisão de alguns Bancos, conforme comunicado da Febraban, de prorrogar por 60 dias o vencimento das dívidas das empresas é altamente positiva, e merece os aplausos da classe empresarial.

A Facesp e a ACSP consideram, no entanto, que é insuficiente para resolver as dificuldades das micro e pequenas empresas, pelo que tomam a liberdade de solicitar que seja postergado o recolhimento dos impostos desses empreendimentos pelo tempo necessário à

normalização das atividades econômicas, com posterior parcelamento dos valores acumulados no período.

Na certeza de que Vossa Excelência dará a atenção devida à presente solicitação, as signatárias renovam protestos de elevada consideração.

 

Alfredo Cotait Neto

Presidente da Facesp e da ACSP

 

IMAGEM: Karina Lignelli/DC