Gestão

Empreendedorismo: se for para errar, erre rápido e erre barato


Conheça Rogério Gabriel, presidente e fundador do Grupo Prepara: ele quase faliu para perceber que persistência demais atrapalha


  Por Bárbara Ladeia 07 de Dezembro de 2015 às 08:00

  | Editora, a jornalista é especializada em Gestão, pós-graduada em Negociação (Unesp), fez cursos na The Wharton School (EUA), FGV e Escola de Inovação em Serviços


A persistência é um dos atributos mais fundamentais – e mais aclamados – do empreendedor. Manter-se firme aos seus propósitos e não sucumbir às intempéries do mercado é necessário. Tão fundamental quanto isso é caminhar sobre a a linha tênue entre a persistência e a teimosia cega.

Rogério Gabriel e seu filho em visita a Unicamp, onde o empresário estudou Ciência da Matemática e Computação

 Rogério Gabriel, paulista de Catanduva, fundador e presidente do Grupo Prepara, esbarrou neste erro em seu primeiro empreendimento, a Precisão Informática, especializada em produtos de tecnologia e informática. Em 1990, aos 25 anos, Gabriel decidiu seguir a trajetória convencional de sua família, o empreendedorismo. 

LEIA MAIS: Para faturar milhões, persistência é fundamental

Em pouco mais de dez anos, a empresa se transformou em uma cadeia de lojas regionais. Em 2001, com o estouro do mercado de informática, as margens da Precisão começaram a encolher e o empreendedor viu uma parte seu sucesso perder a força – aqueles equipamentos que antes eram tecnologia de ponta passaram a estar disponíveis em cada vez mais lugares a preços cada vez menores.

GABRIEL NA FACULDADE

Apegado ao seu empreendimento, Gabriel optou por não desistir nem mudar de ramo – naquele momento, a escolha foi pela resistência. Em 1998, a Precisão já havia tentado o comércio eletrônico e outras alternativas que consumiram tempo, dinheiro e não foram suficientes para reviver o negócio. Aos poucos seu caixa foi esvaziando, os créditos bancários para empresa acabaram, ele apelou para os créditos pessoais. “Demorei demais para sair do negócio”, diz. “Fui até as últimas consequências e recursos.”

Era preciso uma ruptura para que o negócio andasse para frente. Nas palavras de Gabriel, “para esquecer o antigo amor, é difícil abrir o coração para outro, mas é necessário”.

A PRIMEIRA EQUIPE DA PRECISÃO INFORMÁTICA

Sem saída e prestes a baixar as portas, encontrou na sala de treinamento da Precisão uma saída. Os clientes adoravam os serviços de treinamento oferecidos pela empresa. “Tomamos coragem e colocamos uma metodologia em cima dessa competência e levamos para o varejo”, conta. 

Depois de validado, o negócio foi escalonado e as lojas foram se transformando, gradativamente, em unidades do Prepara. “Mantivemos o conceito de atendimento individualizado com métodos informatizados.” De saída, uma das lojas virou uma escola e a resposta do público foi bastante rápida.

PRECISÃO VIROU PREPARA.

A VIRADA

Da sala de treinamento da Precisão, em 2004, nascia a rede de franquias de educação Grupo Prepara, composto atualmente pela Aprenda Idiomas, Prepara Curso, Ensina Mais e English Talk. Da Precisão sobrou “algum saudosismo” e uma meia dúzia de ligações que hoje, 11 anos depois, Gabriel ainda recebe. “Esse é o fruto do trabalho de forte trabalho de marketing que desenvolvemos com a empresa.”

Com 200 mil alunos ativos e mais de 800 unidades da franquia, hoje o Grupo Prepara está presente em mais de 400 municípios do país, ofertando 80 cursos profissionalizantes. Os primeiros franqueados foram os próprios funcionários, que acabaram demitidos no processo de reestruturação do Grupo Precisão. O boca a boca fez o restante do trabalho e já em 2010 eram 300 unidades.

Neste ano, o faturamento deve chegar a R$ 297 milhões. Este número vem após uma revisão em abril – em princípio, esperavam R$ 320 milhões, mas a crise jogou um balde de água fria nos planos de Gabriel. 

A experiência com a Precisão e o Grupo Prepara  ensinou Gabriel a errar. “A gente não quer errar, mas se for para errar, erra rápido e erra barato. Só assim vira aprendizado e sucesso.”