Gestão

Em São Paulo, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais


É o que revela relatório do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco), após vistorias em 2017


  Por Estadão Conteúdo 23 de Novembro de 2018 às 09:46

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Não é só o trecho que cedeu na Marginal do Pinheiros, zona oeste paulistana, que demanda reparos. Outros viadutos da capital precisam de manutenção imediata.

A Prefeitura tem conhecimento de problemas estruturais em pelo menos 73 estruturas desse tipo. São locais no centro expandido que têm infiltrações, armações metálicas expostas e rachaduras.

Nesta quinta-feira (22/11), o Município contratou, em caráter de emergência, uma empresa para reparar o viaduto da Marginal. E, pelo segundo dia, a lentidão no trânsito da cidade ficou acima da média. 

O relatório sobre pontes e viadutos é do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco), após vistorias em 2017.

É a mesma entidade que, há 11 anos, fez o estudo que serviu de base para o Ministério Público Estadual assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Prefeitura para estruturar uma manutenção preventiva permanente - o que não foi cumprido e acabou na Justiça, com cobrança de multa.

Diretor do Sinaenco, Gilberto Giuzio destaca que a vistoria foi apenas visual. "Esse relatório (executado por dez empresas associadas ao Sinaenco) é como uma primeira visita ao médico. Ele examina, mas pede exames complementares", afirma. 

A Ponte Jânio Quadros, na Vila Maria, que cruza a Marginal do Tietê, é um exemplo. Ali, há dois anos, há "fissuras, armaduras expostas, oxidadas e rompidas". Já no Viaduto General Olímpio da Silveira, sobre a Avenida Pacaembu, o relatório cita armações expostas e, em alguns pontos, cortadas.

Para o professor de Engenharia Civil da Universidade Mackenzie Eduardo Deghiara, é preciso ter manutenção periódica. "Um viaduto, por onde passam carros por cima e por baixo, deveriam ser vistoriados anualmente", diz. "É preciso vontade política, em alguns casos, e dizer à população que certo local será fechado para obras, para serviços definitivos."

Questionada sobre o levantamento, a Prefeitura disse que foram escolhidos, com base no documento, 33 viadutos e pontes que requerem atenção especial. Foi aberta este mês a contratação de vistoria nesses locais. 

A determinação do prefeito Bruno Covas (PSDB), conforme a administração, foi de elaborar laudo estrutural de 185 pontes e viadutos da cidade, "por entender que as vistorias visuais são insuficientes", antes de tomar medidas. A ideia é ampliar o contrato para inspecionar todas as 185 estruturas. 

LEIA MAIS: O que está por trás do colapso do viaduto da Marginal

Nesta quinta-feira, a Prefeitura publicou, no Diário Oficial da Cidade, autorização para obras emergenciais (sem licitação) de reparo no viaduto da Marginal.

A empresa será a JK Engenharia, do ex-diretor de Obras da Prefeitura Edward Boretto. O valor do contrato, assinado dada "a extrema gravidade da situação", não foi divulgado e terá validade de 180 dias. 

Os serviços, concentrados na instalação de estacas de sustentação, se deram ontem em um dia de trânsito difícil. Pela manhã, a cidade teve índices de lentidão acima da média, chegando a 152 km de filas às 9 horas, quando a média máxima é de 125 km. À tarde, às 18 horas, chegou a 111 km, mesmo índice da média máxima do horário.

Um "descolamento da cinta elástica na junta de dilatação" do viaduto Maria Campos, em Osasco, na Grande São Paulo, provocou o surgimento de um vão de cerca de 15 centímetros e trouxe preocupação aos moradores. É possível, do viaduto, ver a pista que passa por baixo da estrutura.

A prefeitura de Osasco, por meio de nota, informou que abriu processo para contratar uma empresa para fazer os reparos. "Importante ressaltar que a falta do material emborrachado na junta de dilatação não compromete a estrutura do viaduto", que não será fechado para o trânsito.