Gestão

Distrital Penha da ACSP quer ampliar presença na Zona Leste


Utilizar o associativismo para atrair benefícios e melhorias para os negócios da região será um dos principais focos da gestão do novo diretor superintendente Roberto Pires


  Por Karina Lignelli 29 de Abril de 2021 às 15:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Atrair lojistas, prestadores de serviço e, porque não, contabilistas, para a nova realidade on-line. Criar uma unidade para trazer benefícios e melhorias para os negócios da região. Mas, principalmente, utilizar o associativismo como ferramenta para ampliar sua representatividade no entorno. 

Em 2021, ano em que a Distrital Penha da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) completa 70 anos de atividades, essas serão algumas das principais frentes de atuação sinalizadas por sua nova gestão durante o segundo mandato do presidente Alfredo Cotait Neto, iniciado em março último. 

Quem assume é Roberto Pires, 56, advogado de formação e empresário do comércio de metais preciosos e construção civil. Atuante na região, inclusive coordenando a Renovação Carismática da Diocese local, o novo diretor superintendente integra a diretoria da distrital há 13 anos, e substitui Alfredo Alves Veloza.

LEIA MAIS:  Na Distrital Pinheiros da ACSP, prioridade é acelerar vacinação

LEIA MAIS:  Novo gestor da Distrital Mooca da ACSP quer capacitar empresários

Pires assume o posto num momento em que um dos focos principais é ampliar a presença da distrital em sua área de abrangência, que inclui bairros importantes como Cangaíba, Arthur Alvim e Vila Matilde.  

"Temos Certificação Digital, posto da Jucesp... Prestamos o serviço, mas precisamos fazer um trabalho muito maior de divulgação, inclusive junto aos contabilistas, para aumentar essa atuação", diz. 

Com o cenário econômico recessivo dos últimos anos, agora agravado pela pandemia, o comércio da região perdeu inúmeros negócios e extinguiu até alguns segmentos, como o de artigos religiosos, conta Pires. 

Mas também há questões específicas da região que acabaram gerando perdas para o comércio - e em consequência, diminuíram o alcance da distrital. Como a abertura da Radial Leste na altura da antiga Av.Tiquatira, que fez o Centro da Penha deixar de ser uma área de passagem obrigatória, explica. 

E a mudança, feita pela prefeitura, de uma rua tradicional de comércio do bairro, a Guaiauna, de mão dupla para mão única. Ou ainda a questão da precariedade e falta de manutenção em imóveis de comércio mais antigos, que precisam ser revitalizados e adequados à nova realidade.  

Com as discussões sobre o Plano Diretor no radar, segundo Pires, a Distrital está montando uma frente para participar dos debates e buscar soluções benéficas para a região. Para isso, sua equipe tem conversado com esse pessoal para entender suas necessidades, elaborar uma proposta de qualificação e atualizá-los. 

"Mas um dos grandes desafios será criar essa unidade de diálogo junto aos comerciantes locais, com o objetivo de tornar a ACSP a sua verdadeira representante junto ao poder público", afirma.   

Além de dar continuidade a atividades importantes do Conselho da Mulher Empreendora e da Cultura (CMEC), como as campanhas do agasalho e de brinquedos, Pires afirma que a expectativa, com o avanço da vacinação e a diminuição das restrições, é retomar atividades presenciais para manter a Distrital ativa. 

Como o concurso literário, realizado nas escolas públicas e privadas. Ou eventos como 'Tarde da Beleza', realizado em parceria com o Shopping Penha, onde empreendedoras do ramo de beleza e estética prestam serviços de maquiagem e corte de cabelo, e comercializam cosméticos a preços mais acessíveis.

"É uma forma de ajudar as empreendedoras não só a divulgar produtos, mas a ganhar clientela", diz. 

O isolamento social e a nova realidade das reuniões não-presenciais na pandemia também revelaram outro desafio dos comerciantes da região, segundo Pires: as dificuldades de operar no ambiente on-line.

Por isso, diz, a ideia é "aculturá-los" para mostrar que a realidade virtual virou uma prática comum do dia a dia, ensinando a participar de reuniões, a baixar um aplicativo ou a adaptar seus negócios à tecnologia.

Nos preparativos para elaborar um projeto de marketing para comemorar o aniversário da Distrital, com direito até a selo comemorativo, Roberto Pires reforça o fortalecimento do trabalho da ACSP na região. 

"Nosso grupo é bem antigo e coeso, mas temos consciência de que, antes de qualquer coisa, somos ACSP, e nosso principal foco é o associativismo. Então, estamos bastante empenhados", destaca. 

A seguir, confira todos os diretores das distritais da ACSP na gestão Alfredo Cotait Neto para o biênio 2021-2023. Além de Roberto, os novos nomes que passam a compor o quadro de superintendentes são Juraci José Pereira (Mooca), Teruko Lucia Hamaguchi Maximiano (Distrital Pinheiros) e Rui Manoel Freitas (Norte).


*DISTRITAL CENTRO - 
Alexandre Luiz Ortiz

*DISTRITAL CENTRO-SUL - Jefferson José da Silva

*DISTRITAL IPIRANGA - Antônio João Santo

*DISTRITAL MOOCA - Juraci José Pereira 

*DISTRITAL NORDESTE - William Oliva da Silva


*DISTRITAL NOROESTE - Leonardo dos Santos Ramos


*DISTRITAL NORTE -
 Rui Manoel Freitas 


*DISTRITAL OESTE - Mário Pietro Martinelli

*DISTRITAL PENHA - Roberto Pires

*DISTRITAL PINHEIROS - Teruko Lucia Hamaguchi Maximiano


*DISTRITAL SÃO MIGUEL - Fernando José Velucci

*DISTRITAL SUDESTE - Paulo Simões de Medeiros Júnior

*DISTRITAL SUDOESTE - Ricardo Aparecido Granja dos Santos


*DISTRITAL SUL - Antônio Benedito Leite da Silva Souza


*DISTRITAL TATUAPÉ - Edson Roberto Grandesso 

FOTOS: Divulgação               






Publicidade






Publicidade









Publicidade