Gestão

Como o e-commerce modificou a estratégia comercial da Riachuelo


Fechamento das lojas físicas durante a pandemia impulsionou comércio on-line. Empresa quer transformar pontos de venda em pontos de entrega


  Por André de Almeida  04 de Maio de 2020 às 07:00

  | Repórter andre.dcomercio@gmail.com


A pandemia da covid-19 modificou o comportamento do varejo do dia para a noite. Empresas e estabelecimentos de diversas atividades consideradas não essenciais tiveram que se adaptar para continuar suas vendas. A principal aposta foi no fortalecimento e consolidação do e-commerce.

Esse é o caso da Riachuelo. De acordo com o diretor comercial Flávio Amadeu, apesar do portal de vendas funcionar há três anos, o novo coronavírus colaborou para fortalecer o comércio on-line na empresa.

Segundo a revista Exame, no período de 4 a 12 de abril, a Riachuelo registrou um aumento de 124% nas vendas do comércio eletrônico, além do crescimento de 56% no tráfego do site, em comparação ao mesmo período do ano passado.

“Uma pandemia como esta foi a melhor forma de acelerar a tão falada transformação digital. Nosso grande desafio futuro será transformar nossos pontos de venda em pontos de entrega on-line. Também pretendemos implantar a entrega 24 horas por dia em todas as capitais”, afirma Amadeu.

A Riachuelo conta atualmente com 323 lojas físicas no país e cerca de 40 mil funcionários. Segundo o diretor comercial, com as lojas fechadas, 85% da equipe ficou praticamente inativa.

Como forma de utilizar toda essa mão de obra em prol do negócio, uma das soluções adotadas foi estimular os colaboradores a utilizarem suas próprias redes sociais para a divulgação e vendas de produtos da empresa.

“Temos funcionários com alguns milhares de reais vendidos através das suas redes. Isso seria uma coisa inimaginável 40 dias atrás”, diz Amadeu.

O crescimento das vendas on-line também mudou a logística da Riachuelo. Até o mês passado, todos os produtos comprados pelo site saíam do centro de distribuição de Guarulhos, na Grande São Paulo.

A partir deste mês, de acordo com o executivo, os pedidos também sairão do centro de distribuição de Natal, no Rio Grande do Norte.

FUTURO

Para o diretor comercial da Riachuelo, além de transformar as lojas físicas em pontos de entrega, o grande desafio futuro da empresa não é tecnológico, nem mesmo logístico. É o do chamado mindset, ou a maneira como as pessoas pensam.

“Os hábitos dos consumidores estão mudando e as empresas têm que se ajustar a essa nova realidade”, afirma. “O varejo físico de moda é muito ancorado na relação das lojas com os clientes e temos que buscar sempre superar suas expectativas”, completa.

A mudança no comportamento de compra dos consumidores durante a pandemia pode ser observado no aumento das vendas pela Riachuelo de produtos para o lar, como os artigos de cama, mesa e banho, além de pijamas.

“As pessoas estão redescobrindo suas casas e descobrindo novas necessidades. Esse período tem sido de muito aprendizado e empreendedorismo. Tenho certeza que a companhia e todos os cidadãos sairão mais fortalecidos”, conclui Amadeu.

LEIA MAIS 

O que deve fazer o MEI que não recebeu o auxílio de R$ 600

Covid-19: crise é para todos, mas algumas marcas sairão mais fortes dela

Os cuidados antes de reduzir jornada e suspender contrato da equipe

Como gerir os estoques com o comércio fechado? 

E se a empresa deixar de recolher impostos na crise?

Funcionário em home-office deve receber vale-refeição?

Passo a passo para montar uma loja virtual

Coronavírus: saiba o que mudou nas legislações trabalhista e tributária

Como equilibrar as finanças durante a crise do coronavírus

Cuidados para evitar que a empresa seja saqueada na quarentena

Aluguel comercial atrasado: quais os riscos e como proceder?

Serviço de delivery: qual modelo utilizar?

Coronavírus: entenda os critérios para antecipar férias e reduzir jornada da equipe

Coronavírus: cuidado com as finanças para não se perder na crise

5 dicas para o pequeno empresário enfrentar a crise do coronavírus

 

IMAGEM: divulgação/Riachuelo