Gestão

Com vendas em baixa, comércio reduz estoque em julho


O Índice de Estoques do comércio paulistano caiu 2% em julho, de acordo com a FecomercioSP. Atitude demonstra capacidade de adaptação às adversidades econômicas ao evitar prejuízos


  Por Estadão Conteúdo 19 de Julho de 2019 às 12:00

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Índice de Estoques (IE) do comércio paulistano caiu 2% em julho (116,7 pontos) ante junho (119,1 pontos), de acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O porcentual dos que consideram seus estoques adequados caiu de 59,4% para 58,3%. Em relação ao mesmo período de 2018, por sua vez, o IE subiu 11,2%, com alta de seis pontos porcentuais da fatia que avalia o nível de estoques como apropriado.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, a queda do índice na comparação mensal mostra que os comerciantes estão comprando pouco para não inflar o volume diante da estagnação das vendas.

"Assim, demonstram grande capacidade de adaptação às adversidades econômicas ao evitar prejuízos por motivos de altos estoques."

Dessa forma, ficou praticamente estagnada a parcela de empresários que declararam ter excesso de estoques, de 26,7% em junho para 26,8% em julho.

Já o porcentual que considera ter estoques baixos aumentou de 13,7% para 14,7% no mesmo período. A FecomercioSP destaca que os níveis estão próximos do patamar no pré-crise, antes de 2014, quando 60% dos comerciantes tinham estoques adequados, 25% afirmavam ter estoques acima e 15%, abaixo do adequado.

PERSPECTIVAS

A FecomercioSP avalia que o ritmo econômico no segundo semestre tende a ser melhor do que na primeira parte de 2019, após a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara e a perspectiva de que outros projetos do governo sejam aprovados.

"Isso promoverá alívio nas contas públicas e deixará o País em ambiente mais propício para investimentos em longo prazo."